Imagem Lúcia Guimarães
Colunista
Lúcia Guimarães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mortos de tédio

A té o cachorro do meu anfitrião deu um basta e me puxou de volta para dentro da casa. Sua atividade favorita do dia, a caminhada matinal que termina com a refeição, durou 5 minutos, a ventania jogando neve nos nossos olhos fechados. E olha que ele não leu o termômetro digital do canal do tempo marcando -15C. O cachorro, privado das corridas atrás da bola, me olha como se perguntasse o que você planejou para o meu domingo? "He's bored," (Está entediado), vem o diagnóstico do dono.

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2014 | 02h08

Pergunto ao meu anfitrião porque não fica mais tempo na casa. Argumento que a neve de Manhattan já adquiriu aquela cor cinza lama, com tons de amarelo do corrosivo sal químico que os edifícios jogam em quantidade absurda, para evitar processos por escorregões, e queima as patas dos bichos. "Se eu ficar aqui sozinho vai ser um tédio," ele responde, contemplando blasé a vista espetacular do inverno no campo. Lareira, excelente biblioteca e uma geladeira recheada não seguram um escritor neste paraíso.

Chegam os e-mails de domingo, o equivalente a espreguiçar com palavras, e me comunicam que a sensação térmica de 45º C no Rio vai prender todo mundo em casa. "Que tédio," reclamam.

Estamos mais vulneráveis ao tédio hoje? A fratura da atenção entre múltiplos gadgets eletrônicos, a expectativa de entretenimento externo constante, tudo isso nos tornou incapazes de resistir a breves momentos de enfado?

Não necessariamente, afirma Peter Toohey, um historiador especializado em literatura greco-romana da Universidade de Calgary, no Canadá. Você compraria um livro com a palavra tédio na capa? Pois Toohey escreveu um tratado sobre o tédio que pode ser lido sem o menor risco de sofrer do mal do título, um mal que o autor garante, em doses curtas vem para o bem. O livro de Toohey, Boredom, a Lively History (Tédio, uma História Animada) argumenta que, ao contrário da noção de que o tédio é um mal do Iluminismo e nasceu junto com o lazer, esta sensação é tão antiga quanto o homem urbano. A palavra 'boredom' só aparece na língua inglesa no século 19 e tem parentesco com o 'taedium' em latim, que vem de 'taedere', cansar.

Em 1854, uma escavação na Itália revelou uma inscrição em latim: "Para Tanonius Marcellinus", dizia, "porque ele resgatou a população do tédio interminável." Não se sabe quem foi Marcellinus, o eminente cidadão de Beneventum, mas a ideia de uma cidade inteira descontente a ponto de homenagear quem a livra do tédio está registrada.

Toohey trata dos diferentes tipos de tédio descritos nas últimas décadas, o simples, o crônico, que pode ser um sintoma da depressão, e o existencial, como o de A Nausea de Jean-Paul Sartre. Ele acha que, por falta de melhor conhecimento, colocamos tudo no mesmo saco da palavra tédio. O tédio crônico, por exemplo, vem de uma deficiência de dopamina, um neurotransmissor que tem papel importante na nossa motivação.

O autor explora o tédio na literatura e escreve que ninguém menciona tanto o assunto quando Chekhov, com seus personagens mortos de tédio nas vastas propriedades no campo. O personagem mais associado a tédio na literatura russa é o Oblómov, de Ivan Gontcharov, que decide não sair mais da cama quando a Rússia está para abolir a servidão. Mas há quem argumente que Oblómov é mais um niilista decadente do que um enfadado.

E por que Peter Toohey considera o tédio, em doses curtas, um importante aliado? Se quando sentimos um gosto esquisito não ingerimos um alimento estragado para não adoecer, ele acredita que o tédio é um sistema de alerta para uma situação psicológica, antes que ela se deteriore. Se você chega a uma festa e dá de cara com um conhecido que não para de falar, vai tentar ficar longe dele. Da mesma forma, vai tentar se defender de outras situações em que a monotonia ou a repetição traga enorme desprazer. A rotina confinada e previsível é a receita para o tédio. Depois de 6 dias presos em casa por causa de temperaturas extremas, a luz vermelha do enfado acende e nos faz recorrer a atividades com maior gasto de energia, além da leitura e de assistir à TV.

Peter Toohey não acredita que a nossa expectativa de engajamento externo constante tenha alterado fundamentalmente a sensação de tédio. O tédio existencial, como o descrito por Sartre, é mais fruto de um contexto cultural. Mas o 'bom' tédio que o autor defende continua conosco, tanto quanto outras emoções extremas e mais examinadas, como o ódio e o amor.

Mas acredito, sim, que temos mais medo do tédio comum. Quando vejo num restaurante um casal colocar o guardanapo no colo com a mesma naturalidade que coloca um tablet na mão do filho pequeno penso: ao proteger a paz da sua refeição, estão ensinando a ele que não é possível sobreviver a uma hora sem estímulo externo. Imaginem um cenário em que as crianças só pudessem se distrair com brinquedos disponíveis há 150 anos. Seria tema para um filme. De terror.

Mais conteúdo sobre:
Lúcia Guimarães

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.