TV Globo
TV Globo
Imagem Daniel Martins de Barros
Colunista
Daniel Martins de Barros
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Morte de Paulo Gustavo simboliza o sofrimento de um país inteiro

Sua morte aglutina, de alguma maneira, todas as outras, nos levando, agora sim, a um luto coletivo: todos juntos lamentando a mesma perda

Daniel Martins de Barros, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2021 | 11h58

Muitas vezes me perguntaram se, com tantas perdas Brasil afora, nós estaríamos experimentando um luto coletivo. Sempre achei que não: estamos sim, coletivamente em luto, mas é diferente. Luto coletivo não me parece ser quando muitos de nós lamentamos nossas mortes ao mesmo tempo e sim quando todos compartilham uma dor em comum.

Talvez seja isso que tenha ocorrido com a morte do Paulo Gustavo. Com sua simpatia, ele cativava o País inteiro, basta ver o sucesso absoluto de seus filmes. Sua morte aglutina, de alguma maneira, todas as outras, nos levando, agora sim, a um luto coletivo: todos juntos lamentando a mesma perda. 

Nosso cérebro primata nos impede de subjetivamente sentir o que objetivamente sabemos. Meio milhão de mortes não chega a nos comover – não temos sequer capacidade mental de processar o que isso significa. Mas a morte de uma pessoa, querida, próxima, essa sim é sentida como uma tragédia.

Paulo Gustavo, querido por todos, encarnou então, em sua última atuação pública, o sofrimento de um país inteiro. Despertou a empatia de quem estava anestesiado e trouxe materialidade à morte por covid que, para muitos, era ainda algo abstrato.

Não há fórmulas para lidar com o luto. Mas, além de lamentarmos sua partida, é importante que celebremos toda alegria que ele nos trouxe. É a melhor maneira de honrarmos sua história.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.