Morte de Diana foi causada por negligência, diz inquérito

A princesa Diana e seu namorado Dodi alFayed foram mortos devido à negligência acirrada do motoristadeles e dos fotógrafos que os perseguiram até um túnel viárioem Paris, mais de dez anos atrás. Depois de passar quase seis meses ouvindo mais de 250testemunhas de todo o mundo, o júri do inquérito sobre asmortes deles chegou a sua decisão na segunda-feira, após quatrodias de deliberações. O presidente do júri disse no tribunal: "Causaram oucontribuíram para o acidente a velocidade e a maneira dedirigir do chofer do Mercedes e a velocidade e maneira dedirigir dos veículos que seguiram (o carro de Diana)." De acordo com ele, os fatores que contribuíram para oacidente foram o fato de o motorista Henri Paul estaralcoolizado, o de que Diana não usava cinto de segurança e ofato de o carro se chocar com um pilar. "Espero, com este veredicto, que todos dêem o caso porencerrado", disse John Stevens, que liderou uma investigação dapolítica britânica sobre as mortes. O juiz Scott Baker, que chefiou o inquérito, instruiu ojúri especificamente a rejeitar teorias conspiratórias segundoas quais o acidente teria sido tramado. Um ex-guarda-costas de Diana, Ken Wharfe, disse à BBC:"Estou surpreso. Como muitas pessoas, eu esperava um veredictode morte acidental". O pai de Dodi, Mohamed al Fayed, proprietário de uma lojade luxo, afirmou que seu filho e Diana moram mortos pelosserviços de segurança britânicos por ordem do príncipe Philip,ex-sogro de Diana. Após o anúncio do veredicto, Al Fayed se disse decepcionadoe declarou que a rainha Elizabeth e seu marido deveriam tersido chamados para depor. "Ninguém deve estar acima da lei",falou. Poucos detalhes da vida privada de Diana foram poupadosdurante o inquérito, em que amigos, familiares, terapeutasholísticos, espiões, guarda-costas, chefes de polícia emordomos foram convocados para dar suas opiniões.

PAUL MAJENDIE E ANDREW HOUGH, REUTERS

07 de abril de 2008 | 14h54

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEDIANAHOMICIDIOCULPOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.