Morreu o poeta Moacyr Félix

Morreu nesta terça-feira o poeta Moacyr Félix, aos 79 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos. "Recebemos a notícia na Academia. É um acontecimento trágico para a cultura brasileira, tão frágil hoje. Uma pessoa de mérito, que vai fazer falta", declarou o secretário-geral da Academia Brasileira de Letras (ABL), Evanildo Bechara. "Eu não tinha uma relação próxima, mas soube que estava com a saúde debilitada pela doença, vivendo numa cadeira de rodas." A ABL programou uma homenagem, que deverá ocorrer durante a sessão plenária de Quinta-feira.O poeta foi preso em 1966, durante o regime militar, por suas manifestações a favor da liberdade de expressão. Na década de 50, foi colaborador do jornal de cultura do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Paratodos, dirigido por Jorge Amado e Oscar Niemeyer. Dirigiu, de 1963 a 1971, a coleção Poesia Hoje, da Civilização Brasileira."O socialismo poético-libertário de Moacyr Félix representa uma face perene do sentimento de solidão do poeta, como todo exílio, mas também o protesto e a reivindicação social de um futuro melhor para sua gente e sua terra. Seu exílio não é uma evasão, mas uma revolta", escreveu o crítico Alceu Amoroso Lima.Em 1960, Moacyr Félix recebeu do Instituto Nacional do Livro o prêmio de melhor livro de poesia, por O Pão e o Vinho. Na época, ele escreveu Crônica da Escandinávia para uma sueca chamada Birgitta, sua mulher: "Sim, apenas o homem e seu salgado desencanto/a dissolver-se nas veias de mais um novo encantamento./Apenas um homem que nasce e morre sempre/dentro da noite como a luz/de um farol que se apaga e que se acende."O velório acontecerá nesta quarta-feira, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, a partir de meio-dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.