Reprodução
Reprodução

Morre Virginia Lane

Atriz, símbolo do teatro de revista da década de 1950, estava com 93 anos

10 de fevereiro de 2014 | 18h36

A atriz Virgínia Lane, saudada pelo ex-presidente Getúlio Vargas como a “Vedete do Brasil”, morreu nesta segunda-feira, aos 93 anos. Ela estava internada desde o início do mês em um hospital de Volta Redonda, no Rio, para o qual foi levada por conta de uma infecção urinária. A causa da morte foi falência múltipla dos órgãos.

Nascida Virginia Giacone em 1920, no Flamengo, Virgínia chegou a cursar o primeiro ano de Direito – mas a atração pelos palcos falaria mais alto. Atração que ela desenvolveu desde cedo, na Escola de Bailados do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, onde estudou com a lendária Maria Olenewa.

A estreia profissional seria aos 15 anos, no Cassino da Urca, para onde foi levada pelo maestro Vicente Paiva – e foi ele também quem a introduziria no plantel da Rádio Mayrink Veiga. Do Rio, ela seguiria para Buenos Aires, onde atuaria por três anos. Em 1946, lançou o primeiro disco, pelo selo Continental, no qual interpretava a marcha Maria Rosa e o samba Amei Demais. Dois anos depois, voltaria ao Rio e, depois de assinar um contrato com Walter Pinto, trabalhou durante cinco anos na revista Um Milhão de Mulheres e em outros espetáculos do Teatro Carlos Gomes e do Teatro Recreio.

Caso. Nos anos 50, viveu o auge de sua trajetória. A começar pela gravação de Sassaricando, marchinha que fazia parte da revista Eu Quero Sassaricá, um dos maiores sucessos da trupe de Walter Pinto. Compositora, gravou peças de sua autoria, como Lanterninhas Multicores e Que Palhaço, de 1958, registradas ao lado de Santo Antônio Vai me Abençoar, de Nelson Castro.

Foi nessa época que ela receberia das mãos de Getúlio Vargas o título de A Vedete do Brasil – em entrevistas décadas depois, ela diria que manteve um caso de dez anos com o ex-presidente da República. “Foi dentro de um teatro. Ele viu uma peça minha e foi ao camarim me cumprimentar. Me convidou para sair e eu agradeci, mas recusei. Não me sentia capacitada para sair com o presidente da República. Mas ele insistiu e fui cear com os amigos dele em uma churrascaria. Daí começou”, contou em depoimento concedido ao Guia do Estudante em 2007. “Eu entrava e saía do Palácio do Catete pela porta da frente! Passava lá à tarde, tomava um chá. Viajávamos muito também, inclusive para a Europa. Eu ia na frente com o Gregório (Fortunato, chefe da guarda), que me acompanhava em passeios, compras e até na assinatura de contratos. Visitamos Portugal, Itália, Espanha.”

Virgínia seguiu se apresentando no teatro até o início dos anos 2000. Sua última aparição foi na novela Belíssima, em 2006, na qual participou de homenagem feita a diversas divas do rádio. 

Tudo o que sabemos sobre:
Virginia Lane

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.