Morre pintor chileno e surrealista Matta

O pintor e escultor chileno Matta, um dos artistas mais representativos da pintura surrealista do século 20, morreu neste sábado, aos 92 anos, no hospital San Paolo de Civitavecchia, nas proximidades de Roma, na Itália. Nascido em Santiago do Chile em 1911, estudou arquitetura na capital chilena e logo mudou-se para Paris, onde estudou com Le Corbusier. Em 1937, Matta dedicou-se à pintura e no ano seguinte ingressou na escola surrealista da qual é considerado um dos principais expoentes, ao lado de André Breton, Piet Mondrian e tantos outros.Um crítico italiano, Piero Dorazio, escreveu recentemente que "Matta é o herdeiro da coroa de Miró, o pintor mais célebre depois de Matisse e Picasso". E acrescentou que "Matta é um grande mestre: ele inventou um estilo na pintura que desde 1940 em Nova York e desde 1950na Europa teve uma profunda influência na maior parte dos pintores contemporâneos".O artista, cujo nome completo era Roberto Sebastián Matta Echaurren, estabeleceu-se algum tempo depois em Tarquinia, onde estabeleceu profundos laços de amizade com a população local.Suas obras de inspiração surrealista e metafísica ilustraram uma visão singular do mundo da civilização tecnológica moderna. Entre seus quadros mais importantes estão Eros Precipitado (1944), no Museu de Arte Moderna de Nova York, A Terra É um Homem (1941), A Questão Djamila (1962) e Sobre o Estado da União (1965).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.