Morre o poeta e livreiro argentino Héctor Yánover

Morreu ontem em Buenos Aires o poeta e livreiro Héctor Yánover, aos 73 anos por enfisema pulmonar, informou o jornal Clarín. Apaixonado por livros, Yánover foi um grande incentivador da literatura argentina. Nascido na província de Córdoba, ele chegou a Buenos Aires nos anos 50 e já em 1956, abriu sua primeira livraria. Foi , no entanto, escrevendo poesia que se destacou e passou a ser mais que um vendedor de livros. A dupla atividade rendeu a Yánover contatos com muitos nomes da geração literária argentina em atividade dos anos 50 em diante. Assim, ele contribuiu para a memória das letras portenhas fazendo registros sonoros de autores como Jorge Luis Borges, Pablo Neruda e Julio Cortázar lendo seus escritos. E, para sobreviver sem ter de deixar os livros, Yánover assumiu cargos públicos por duas vezes: foi diretor de bibliotecas de Buenos Aires entre 1989 e 90 e da Biblioteca Nacional argentina entre 1994 e 1996. Nos últimos anos, teve um programa na TV chamado La Librería em Su Casa. Antes parar com o programa por falta de anunciantes, fez um apelo a seus espectadores, pedindo que cada um doasse dez pesos para manter vivo o programa. Mas não conseguiu as contribuições que precisava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.