Morre o pintor Cícero Dias em Paris

O artista pernambucano Cícero Dias morreu hoje, em Paris, cidade onde morava desde 1937. Como informou o galerista e amigo da família do artista, Waldir Simões de Assis Filho, Cícero morreu em casa, seu endereço há 40anos, na Rue Long Champ, às 9 horas (horário de Brasília), semnenhuma causa específica. Cícero Dias será enterrado nasegunda-feira, no cemitério de Montparnasse, após missa de corpopresente na igreja de Notre Dame de Grace de Tassy, às 10h30.Estava para completar 96 anos no dia 5 de março."Ele morreutranqüilo e lúcido. Estava com sua mulher Raymonde, a filha etambém pintora Sylvia e seus dois netos", disse Waldir Simões,responsável, com o jornalista Mário Hélio Lima, pelo livroCícero Dias - Uma Vida pela Pintura, lançado no ano passadoaqui no Brasil, no Recife, em evento que contou com a presençado próprio Cícero Dias.O pintor nasceu em 1907, no Engenho Jundya, município de Escada, a 53quilômetros do Recife. Já aos 13 anos foi para o Rio de Janeiro,onde faria seus estudos. Lá teve contato com os modernistas e,em 1928, aos 21 anos, realizou sua primeira exposição, naverdade em uma mostra paralela ao 1º Congresso de Psicanálise daAmérica Latina.Os traços surrealistas de suas obras, então namaioria desenhos e aquarelas, já se faziam presentes e o artistachegou a ser considerado pelo escritor pré-modernista GraçaAranha como o primeiro manifestante do surrealismo no Brasil.Sua primeira exposição teve o apoio de amigos como Di Cavalcantie Murilo Mendes.Foi na década de 20 que Cícero criou o famosopainel Eu Vi o Mundo... Ele Começava no Recife, que tantoimpressionou os modernistas. Em 1932, voltou a seu Estado natale, em 1937, mudou-se para a França, realizando lá, no anoseguinte, suas primeiras exposições. Em Paris, freqüentou oateliê de Pablo Picasso e acompanhou de perto a finalização deGuernica - Picasso foi até mesmo padrinho de sua filha.Também teve como amigos André Breton e Paul Éluard. Entre outrashistórias dessa época, há o episódio em que Dias ficou preso naAlemanha com o escritor Guimarães Rosa, que estava concluindo olivro de contos Sagarana.A partir da década de 40, Cícero começou a trabalhar aabstração, mas o rigor formal foi se diluindo na décadaseguinte. Nos anos 60, o artista voltou a pintar as figurasfemininas e, a partir dessa época, sua obra se tornou umamistura de flores, paisagens e personagens, entre tantos outroselementos.veja o especial:

Agencia Estado,

28 de janeiro de 2003 | 15h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.