Clovis Ferreira/AE - 31/10/1993
Clovis Ferreira/AE - 31/10/1993

Morre o locutor Lombardi, dono da misteriosa voz do SBT

Ele começou sua carreira na televisão na década de 60 e acompanhou Silvio Santos por mais de 40 anos

Cristina Padiglione, de O Estado de S. Paulo,

02 de dezembro de 2009 | 10h14

"Ôôôôi, Lombardi!": lá se vai um dos bordões mais clássicos da TV brasileira. Quem Silvio Santos passará a chamar, daqui em diante, para anunciar os testemunhais de seu programa? O patrão nem quer pensar nisso. Segundo informações do SBT, sua mulher, Eni Lombardi, encontrou-o morto ao acordar. Nesta quarta, 2, dia em que Luiz Lombardi Neto era normalmente aguardado para gravar com Senor Abravanel, o dono do SBT cumpriu expediente sem chamar sequer os anúncios das empresas do Grupo Silvio Santos, missão que cabia ao mais famoso e imitado locutor do País.

 

Veja também:

linkRepercussão: amigos e colegas lamentam perda de Lombardi

linkLombardi, uma voz do Brasil

 

Lombardi se foi aos 69 anos, vítima de um enfarte agudo do miocárdio, segundo o laudo médico do Dr. Fernando Antônio Rodrigues Ramos, deixando um filho, Fernando Lombardi. O velório foi marcado para as 17h30, na Câmara Municipal de Santo André, de onde sairá o cortejo fúnebre nesta quinta, 3, às 10h, até o Cemitério da Vila Pires, à Rua Miguel Couto, s/n, também na cidade do Grande ABC, onde o locutor será sepultado.

 

"Ele nem queria gravar hoje", contou ao Estado o assistente de palco de Silvio Santos, Roque, sobre o patrão. "A diretoria do grupo então ligou pro Silvio e falou que havia 250 pessoas (no auditório) esperando, além dos artistas convidados, e ele, em consideração ao público, acabou gravando", completou. Ainda de acordo com Roque, Silvio Santos disse ao seu auditório: "Hoje eu não viria gravar porque é um dia muito triste pra mim, mas, em respeito a vocês, estou aqui e não quero passar essa tristeza pra vocês."

 

Lombardi acompanha Silvio Santos desde os idos em que o patrão locava horário na grade de programação da Globo, sempre aos domingos. "Desde o começo, o Silvio dizia ‘é com você, Lombardi?’, e percebeu que isso começou a despertar a curiosidade das pessoas para conhecer o rosto do Lombardi", lembra Luciano Callegari, ex-vice-presidente de Operações e Programação do SBT, que naquela época era diretor de palco do Programa Silvio Santos. "Aí o Silvio dizia pra ele: se sair uma foto sua em algum jornal ou revista, você perde o emprego". O segredo foi mantido por mais de 20 anos, até que um papparazzo o flagrou. Mesmo assim, são raras as imagens do locutor até hoje tornadas públicas.

 

Algumas delas estão no site criado por um fã e colega de Lombardi. "Costumo dizer que fama e anonimato andam sempre juntos. Não tenho essa vaidade de aparecer. Sei que não sou nenhum galã", dizia.

 

Lombardi estava no time dos mais fiéis súditos de Silvio Santos. Ia ao mesmo cabeleireiro do patrão, o lendário Jassa. Dos primeiros aos últimos dias desses 40 anos, nunca deixou de buscar o endosso de Silvio para tudo. "Chefe, como está a minha voz? Está boa, está boa?", insistia.

 

Nascido no bairro do Bexiga, em São Paulo, o locutor morava havia anos em Santo André. Começou no rádio em 1966 e no mesmo ano foi parar na TV. 

Colaboraram: Alline Dauroiz, Gustavo Miller e Keila Jimenez

 

Matéria alterada às 14h15 e às 18h00, com novas informações

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
lombardiSBTlocutor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.