Morre o filósofo Robert Nozick

O filósofo norte-americano Robert Nozick, morreu aos 63 anos, de câncer do estômago, na quarta-feira. Ele era o autor de Anarquia, Estado e Utopia (1974), livro que representou o ressurgimento do conservadorismo nos anos 70. A obra foi escrita em resposta a Uma Teoria da Justiça, de John Rawls, lançado em 1971. No livro, Nozick defendia que a liberdade era o valor supremo de qualquer sociedade que se pretendesse livre, no que contradizia Rawls, para quem o maior valor seria o da igualdade. Uma das passagens mais citadas de Anarquia, Estado e Utopia diz: ?governos não podem proibir atos capitalistas entre adultos em acordo?. Os dois livros, embora opostos em suas concepções, comandaram uma volta da filosofia a temas menos abstratos e com alto interesse social e político.Robert Nozick despertou para a filosofia ainda na adolescência. ?Aos 15 ou 16 anos andava por aí carregando um exemplar de A República, de Platão?, ele escreveu em A Vida Examinada. Formou-se na Columbia University em 1959 , fez o mestrado e o doutorado em Princeton, em 61 e 63, respectivamente. Ele lecionou em Princeton por dois anos, antes de integrar o corpo docente de Harvard, no fim dos anos 60, onde permaneceu até o fim de sua vida. O reitor da universidade, Lawrence H. Summers, louvou Nozick como ?um acadêmico brilhante e provocador, profundamente influente no seu próprio meio e além dele.? Robert Nozick também escreveu Philosophical Explanations (Explicações Filosóficas), de 1981, The Examined Life (A Vida Examinada), de 1989, The Nature of Rationality (A Natureza da Racionalidade, de 1993 e Socratic Puzzles (Quebra-Cabeças Socráticos), de 1997.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.