Morre o escultor espanhol Jorge Oteiza

Jorge Oteiza, um dos escultores mais respeitados da Espanha, morreu nesta quarta-feira aos 94 anos. O escultor basco, a quem o arquiteto americano Frank Ghery chamou de Picasso da escultura moderna, morreu em um hospital da cidade de San Sebastián, onde havia sido internado vítima de uma pneumonia em 30 de junho do ano passado. Nascido no povoado basco de Orio em 1908, Oteiza provocou um grande impacto no mundo artístico entre as décadas de 1940 e 50. No Brasil, o escultor recebeu o Grande Prêmio Internacional de Escultura da 4.ª Bienal de São Paulo, em 1957. Fortemente ligado à América Latina, realizou exposições em Santiago do Chile, Buenos Aires e Bogotá. Depois de estudar e fazer seus primeiros trabalhos na Espanha, Oteiza viveu de 1935 a 1948 na Argentina, onde deu aulas na Escola Nacional de Cerâmica. Mais tarde, ele também deu aulas em Bogotá. Ele também venceu o Concurso Internacional de Escultura de Montevidéu em 1969 e o prêmio da 11.ª Trienal de Milão, em 1951. Ainda que tenha produzido várias obras recentes, Oteiza anunciou sua aposentadoria como escultor em 1959. Considerado o pai da escultura abstrata basca, a obra de Oteiza se caracteriza por suas formas largas e angulares. Uma de suas esculturas figurativas mais admiradas é a da basílica de Aranzazu, no norte da Espanha. Oteiza foi contemporâneo de outro escultor basco, Eduardo Chillida, que morreu em agosto do ano passado. ?Tivemos a desgraça de perder Jorge Oteiza, mas tambéma felicidade de que tenha vivido quase um século?, disse a ministra da cultura espanhola Pilar Castillo. ?Junto de Chillida, perdemos os escultores mais importantes da Espanha do século passado?, completou a ministra. O corpo de Oteiza será sepultado amanhã no povoado de Alzuza, norte da Espanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.