Morre o ator Leslie Nielsen, aos 84 anos

Leslie Nielsen estava internado havia cerca de duas semanas em um hospital na Flórida. Domingo à noite, ele morreu de complicações causadas por uma pneumonia. Tinha 84 anos. Em todo o mundo, a morte repercutiu imediatamente na internet. No Brasil, o humorista Bruno Mazzeo (@bmazzeo) publicou em seu twitter: "Poxa, morreu o Leslie Nielsen, uma das figuras que mais me divertiram no cinema. Viva Tenente Frank Drebin!", numa referência ao personagem de Nielsen na série Corra que a Polícia Vem aí.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2010 | 00h00

Nielsen nasceu em Regina, Saskatchewan, Canadá, filho de um canadense de origem dinamarquesa e de uma galesa. O curioso é que, durante muito tempo, tentou fazer carreira como ator dramático. Desta maneira, apareceu em filmes cultuados como O Planeta Proibido, de Fred M. Wilcox, nos anos 1950, e O Destino do Poseidon, de Ronald Neame, no começo dos 70. Pouquíssima gente deve se lembrar disso. Nielsen era daqueles coadjuvantes opacos, que não chamavam atenção.

A guinada ocorreu no começo dos anos 1980, quando foi convidado para fazer o médico maluco de Apertem os Cintos, o Piloto Sumiu, do trio Jim Abrahams e David e Jerry Zucker. Nascia ali mais do que simplesmente uma franquia. Além de ser uma gozação aos filmes da série Aeroporto, Apertem os Cintos inaugurou um formato, o besteirol, em que o filme não conta propriamente uma história, mas vira uma sucessão de piadas parodiando obras de sucesso (de diversos gêneros e até estilos). No mesmo formato, Nielsen fez o tenente Frank Drebin de Corra Que a Polícia Vem aí, assinado por apenas um dos diretores de Apertem os Cintos, David Zucker.

Nos anos e décadas seguintes, o ator continuou investindo nessa nova carreira que o humor lhe descortinou. Virou uma celebridade. Drácula, Morto Mas Feliz, de Mel Brooks; A Repossuída, com Linda Blair; e até Mr. Magoo, de Stanley Tong, contam-se entre os seus êxitos. O que havia nele de mais notável era uma característica herdada de Buster Keaton, que passou à história como o homem que nunca ria. O tipo de personagem interpretado por Leslie Nielsen era o aparvalhado que nunca tinha consciência das confusões que provocava.

Ele era capaz de derrubar o mundo, mas olhava para a câmera com seriedade, até candura, como se nada estivesse ocorrendo. O público de todas as idades o adorava. No domingo, informaram amigos e familiares, ele simplesmente adormeceu e morreu. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.