Morre o artista plástico italiano Ugo Attardi

Ugo Attardi, um dos mais influentes artistas italianos da segunda metade do século 20, morreu na noite de quinta-feira em Roma, aos 83 anos. A causa da morte de Attardi não foi anunciada. Pintor e escultor conhecido internacionalmente, Attardi havia recebido há apenas alguns meses o título de Grande Oficial da República, concedido pelo então presidente italiano Carlo Azeglio Ciampi, em homenagem aos seus méritos artísticos e por ter divulgado e valorizado o gênio e a criatividade da Itália em todo o mundo. Attardi nasceu em 12 de março de 1923, em Sori, Gênova, e era filho de sicilianos. Passou sua infância em Palermo, mas seu percurso de artista ocorreu fundamentalmente em Roma, a partir de 1945. Em 1947, unindo-se aos artistas Pietro Consagra, Renato Guttuso, Carla Accardi, Piero Dorazio, Mino Guerrini, Achille Perilli, Antonio Sanfilippo e Giulio Turcato, funda Forma 1, o primeiro grupo abstracionista italiano do período pós-guerra. A partir dos anos 50, participou muitas vezes da Bienal de Veneza e da Quadrienal de Roma e apresentou grandes mostras pessoais nos mais importantes espaços expositivos italianos. Em 1961, aderiu ao grupo Il Pro e il Contro, ao lado de Ennio Calabria, Fernando Farulli, Alberto Gianquinto, Piero Guccione e Renzo Vespignani. Uma viagem à Espanha levou-o à redescoberta dos clássicos e ao aprofundamento dos estudos históricos. Foi nesse período que escreveu seu primeiro romance, L´Erede Selvaggio, publicado em 1970, e pelo qual recebe o Prêmio Viareggio, em 1971. Attardi era conhecido também por suas escultoras, que estão expostas nas principais cidades do mundo, como Roma, Buenos Aires e Nova York, além dos museus do Vaticano.

Agencia Estado,

21 de julho de 2006 | 13h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.