Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Morre, no Rio, o ator Sebastião Vasconcelos

Paraibano, ele tinha 86 anos e "deixou sua marca no cinema, teatro e na TV", segundo nota da ministra Marta Suplicy

FÁBIO GRELLET / RIO, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2013 | 02h12

O ator Sebastião Vasconcelos, de 86 anos, morreu às 20h10 de anteontem no Hospital Israelita Albert Sabin, na Tijuca, zona norte do Rio, onde estava internado desde 30 de junho devido a uma pneumonia. A causa da morte foi um choque séptico, segundo o hospital. Ele seria cremado ontem no Cemitério do Caju, na zona norte, em cerimônia restrita a familiares.

Contratado pela TV Globo desde a década de 1970 até 2004, Vasconcelos atuou em diversas minisséries e novelas. Em Vale Tudo (1988-89), por exemplo, interpretou Salvador, avô da personagem Maria de Fátima (Glória Pires); em Tieta (1989-90), foi Zé Esteves, pai da protagonista (Beth Faria); em Mulheres de Areia (1993), foi o pescador Floriano, pai das gêmeas Ruth e Raquel (Glória Pires), e em Cabocla (2004) interpretou Felício. O ator trabalhou ainda em minisséries como Grande Sertão: Veredas (1985), em que foi Sô Candelário; em Riacho Doce (1990), na qual era Fabiano; e em A Casa das Sete Mulheres (2003), quando interpretou Antônio.

Ao deixar a Globo, Vasconcelos transferiu-se para a TV Record, na qual atuou nas novelas Caminhos do Coração (2007) e Os Mutantes - Caminhos do Coração (2008).

Paraibano da cidade de Pocinhos, Vasconcelos começou sua carreira como ator no Recife. Mudou-se para o Rio em 1955 e passou a se dividir entre o teatro e a TV. Em 1959, participou da primeira versão de Cabocla, produzida pela TV Rio.

Vasconcelos trabalhou também no cinema. Sua atuação em Inocência lhe rendeu o Troféu Candango de melhor ator no Festival de Brasília de 1983.

No teatro, Vasconcelos ganhou o prêmio Molière de ator com a peça Os Emigrados, de Slawomir Mrozek.

Em nota oficial, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, afirmou que "Vasconcelos deixou sua marca no cinema, teatro e na televisão. Artista premiado, dedicou a sua vida às artes cênicas e contribuiu com a história da TV brasileira".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.