Morre Mestre Sebastião, ícone da cultura de Alagoas

José Sebastião de Oliveira recebeu ano passado o título de Patrimônio Vivo, um reconhecimento entregue pelo governo do Estado

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

21 de abril de 2010 | 11h47

 

SÃO PAULO - Foi encontrado na tarde desta terça-feira, 20, em sua casa, em Viçosa, Alagoas, o corpo do mestre de guerreiro José Sebastião de Oliveira, conhecido como Mestre Sebastião. Ele era um ícone da cultura alagoana e recebeu ano passado o título de Patrimônio Vivo, um reconhecimento entregue pelo governo do Estado. Passou então a integrar uma série de selos dos Correios.

 

Segundo a Prefeitura, a causa da morte ainda é desconhecida. A vizinhança sentiu falta dele e comunicou a polícia, que entrou em sua casa e verificou que ele estava morto. O enterro está marcado para esta quarta-feira, 21, em horário a ser marcado pela família.

 

Mestre Sebastião completaria 63 anos no mês de julho. Sua trajetória foi de sucesso e valorização da cultura viçosense, da qual tinha orgulho de fazer parte.

 

Aprendeu a "brincadeira" do guerreiro com o Mestre Osório, destaque do Reisado de Viçosa, por quem tinha imensa admiração. O Guerreiro é um auto natalino genuinamente alagoano, de caráter dramático, profano e religioso. É uma junção de elementos dos pastoris, cheganças, quilombos e caboclinhos.

 

O Mestre tinha adquirido o respeito e a simpatia das pessoas que apreciam a cultura viçosense. "Ele tinha uma capacidade de improviso com criatividade e coesão. Eram versos inteligentes. Uma voz inesquecível e insubstituível. Ele realmente sabia o valor de cada folguedo. Quando colocava o chapéu, ele se transformava. Tinha um bailado único. Era um mestre completo", destacou a secretária de Cultura e Turismo de Viçosa, Karina Padilha Rebelo.

Tudo o que sabemos sobre:
AlagoasMestre SebastiãoViçosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.