Morre maestro Miguel Cidras, arranjador de Raul Seixas

A música popular brasileira perdeu hoje um dos seus maiores arranjadores. O maestro Miguel Cidras, responsável por grande parte dos arranjos das músicas de Raul Seixas, morreu numa clínica em São Paulo, quando se preparava para passar por exames médicos. Nascido em Montevidéu, no Uruguai, Cidras tinha 71 anos. Cidras trabalhou com artistas dos mais variados estilos, como Ney Matogrosso, Alceu Valença, Hyldon, Elba e Zé Ramalho, Tim Maia, Erasmo Carlos, Zé Rodrix e Sidney Magal. Do último, é o autor de seu maior sucesso: ''Sandra Rosa Madalena, a Cigana''. O arranjador acompanhou Raul Seixas em praticamente toda a carreira do roqueiro baiano. Conheceram-se na CBS, no início dos anos 70, quando Raul era produtor dos artistas da gravadora. "Conhecia ele superficialmente. Até que ele me chamou para fazer o arranjo de Ouro de Tolo, quando foi contratado pela Phillips", contou o maestro. A música, carro-chefe do disco de estréia de Raul, foi uma das mais tocadas em 1973, iniciando um relacionamento que iria até o fim da vida do artista, 16 anos depois, em 1989.Cidras chegou ao Brasil ainda jovem, em 1958, e a partir daí seu caminho se cruzou com o de vários artistas brasileiros. Foi Elis Regina, por exemplo, que o levou para o Rio de Janeiro, no começo da década de 60. "Antes, durante e depois dela, não teve no Brasil cantora como ela. Já apareceram milhares, mas nem uma se compara a ela."Os problemas de saúde não tiravam o humor do maestro, que ultimamente se preparava para algumas apresentações para relembrar momentos de sua carreira. "Gosto muito de brincar de fazer brincadeiras. Quando a gente passa por um problema sério, descobre uma porção de coisas. O que adianta eu falar de meus problemas, de coisa séria?" Essa serenidade, segundo ele, refletia-se no seu trabalho: "quando eu vou fazer um arranjo sai muito mais fácil. Antes eu jogava coisa demais fora, ficava mudando, refazendo. Hoje, ele já vem pronto".Os locais do velório e do enterro ainda não foram definidos pela família.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.