Morre Lícia Magna, 98, a atriz mais antiga da Globo

Mais recentemente ela atuou em Kubanacan e do humorístico Zorra Total

Agencia Estado

04 de julho de 2007 | 12h02

Morreu na manhã desta terça, 3, aos 98 anos, a atriz Lícia Magna, de falência do coração. Ela estava internada no hospital Copa D´Or, no Rio de Janeiro. Mineira de Guaxupé, Alcina Miranda Tetemberg era uma das mais antigas atrizes da TV Globo. Atuou em teatro, cinema e televisão. Começou a carreira em 1952, quando entrou para a extinta TV Tupi.Entre 1956 e 1965 participou ativamente das gravações do Grande Teatro Tupi que levou à televisão mais de 450 peças de dramaturgos como Pirandello, Shakespeare, Ibsen e Lorca. Por esse trabalho, foi lembrada aos 96 anos de idade, em abril de 2005, quando participou, como atriz convidada da leitura da peça A Ratoeira. O evento fazia parte do projeto Caixa de Leituras, no Teatro Nelson Rodrigues, no Rio, e resgatava a memória do Grande Teatro Tupi.Foi mesmo na televisão que Lícia Magna ficou conhecida do grande público por sua atuação em novelas como Véu de Noiva, Selva de Pedra - 1ª versão, Bravo, Pai Herói, Água Viva, O Jogo da Vida, A Próxima Vítima e Kubanacan. Participava ainda do programa Zorra Total. Em teatro, passou por importantes companhias, entre elas o Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) onde entrou em 1959. Sua última atuação no palco foi na peça Por Falta de Roupa Nova Passei o Ferro na Velha. Atuou ainda em mais de 30 filmes, entre eles O Assalto ao Trem Pagador, Copacabana Me Engana, Dona Flor e Seus Dois Maridos e O Beijo no Asfalto.A atriz está sendo velada na capela do Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro. A cerimônia de cremação ocorrerá esta quarta, 4, no Cemitério do Caju, restrita à família e amigos próximos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.