Morre Ken Thomson, o magnata da imprensa do Canadá

Kenneth Thomson, o homem mais rico do Canadá e herdeiro de um império jornalístico criado por seu pai, morreu hoje aos 82 anos de idade em Toronto após sofrer um ataque cardíaco.Thomson dirigiu, entre 1978 e 2003, a Thomson Corp., que nos últimos anos se tornou uma das maiores empresas de publicação eletrônica do mundo e que controlou, entre outros veículos, um dos jornais mais influente do país, o The Globe and Mail.Thomson - ao qual a revista Forbes qualificou este ano como a 9.ª pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna estimada em US$ 19,6 bilhões - também se destacou como um ávido colecionador de obras de arte.Há poucos anos, Thomson doou grande parte de sua coleção - mais de 3 mil peças de arte européias e canadenses - à Galeria de Arte de Ontário em Toronto, e além disso contribuiu com cerca de US$ 90 milhões para a renovação do museu dirigido pelo prestigiado arquiteto Frank Gehry.Único filho de Roy Thomson, proprietário de vários jornais tanto no Canadá como no Reino Unido, Kenneth nasceu em 1.º de setembro de 1923 em Toronto.Quando seu pai morreu, em 1976, Thomson assumiu a empresa familiar.Sob sua gestão, a Thomson Corp. deixou de ser apenas a clássica editora proprietária de jornais como os britânicos The Times ou The Sunday Times e passou a ser um gigante eletrônico especializado em bases de dados e ferramentas eletrônicas utilizadas por advogados, médicos e profissionais financeiros.Graças a essa transformação, o valor da Thomson Corp. passou de US$ 500 milhões em 1976 para US$ 29,3 bilhões atualmente.Em 2002, Ken Thomson deixou a direção da Thomson Corp. nas mãos de seu filho David, embora tivesse mantido a propriedade de 70% das ações da companhia.Ken Thomson deixa viúva (Marilyn) e três filhos: David, Peter e Taylor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.