MANOOCHER DEGHATI/AFP
MANOOCHER DEGHATI/AFP

Morre James Rosenquist, um dos pioneiros do Pop Art

O artista norte-americano morreu na sexta-feira, dia 31 de março, aos 83 anos, e seu quadro mais conhecido é 'F-111', criado nos anos 1960

AFP

01 Abril 2017 | 19h49

O artista americano James Rosenquist, que teve um papel decisivo no surgimento do Pop Art com suas telas e instalações, morreu na sexta-feira, dia 31 de março, aos 83 anos, segundo seu site oficial.

Nascido em 29 de novembro de 1933 em Dakota do Sul, iniciou sua carreira pintando cartazes publicitários e depois se estabeleceu em uma oficina no sul de Manhattan para trabalhar em suas próprias criações.

"Meus cartazes eram arte", explicou durante uma entrevista à rádio pública WNYC em 2004, na qual também fez referência à dificuldade de reproduzir fielmente o rosto dos atores do cinema nos cartazes de filmes que pintava.

Foi, principalmente junto com Roy Lichtenstein e Andy Warhol, um dos fundadores dessa nova corrente, inicialmente desprestigiada pelos classicistas, mas que rapidamente se tornou importante no mundo da arte.

Seu quadro mais famoso, 'F-111' (1964-65), obra de 3 metros de altura por 26 metros de largura, mistura macarrão, uma criança com um capacete e um cogumelo atômico.

Essa tela está atualmente exposta no Museum of Modern Art (MoMA) de Nova York.

James Rosenquist se distanciou progressivamente da estética do consumo e se aventurou, inclusive, na arte abstrata, com um gosto sempre aparente pelas telas de grandes dimensões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.