Morre Jacinto de Thormes, pioneiro do colunismo social

Morreu na noite de ontem o jornalista Maneco Müller. Pioneiro do colunismo social no Brasil, ele adotou o pseudônimo de Jacinto de Thormes, que emprestou do personagem de Eça de Queiroz em A Cidade e as Serras, ao assinar uma coluna no jornal carioca Correio da Manhã, na década de 50. Também passou pelas redações do Diário Carioca e Última Hora. Maneco Müller acabara de completar 82 anos. O corpo do jornalista será velado até as 17h na capela 8 do Cemitério Memorial do Carmo, no Caju. Amanhã, será cremado. Considerado "pai do colunismo brasileiro", seu estilo extrapolou o ambiente das festas e lugares badalados, deixando transparecer um homem culto e refinado. Müller era neto do ex-governador Lauro Severiano Müller. De acordo com amigos, o jornalista se recuperava de problemas cardíacos e chegou a se submeter a cirurgia para a instalação de uma ponte de safena. Nos últimos meses, podia ser visto caminhando pelas ruas da Gávea, na zona sul, bairro onde morava. Ele estava reunindo em textos suas memórias e, recentemente, escreveu a apresentação do livro Copacabana Palace - Um Hotel e Sua História, do jornalista Ricardo Boechat, que marcou as comemorações dos 80 anos do hotel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.