Morre Howard Keel, astro de "Dallas"

O astro do seriado Dallas e dos musicais Kiss Me Kate e Annie Get Your Gun, Howard Keel, morreu ontem aos 85 anos de idade, em sua casa em Palm Desert. Ele tinha câncer de cólon, segundo informou seu filho, Gunnar.Keel estrelou musicais de Rodgers e Hammerstein em Nova York e Londres antes de assinar um contrato com a MGM, após o final da 2.ª Guerra Mundial. A química foi perfeita: ele se tornou uma estrela no primeiro filme que fez na MGM, Annie Get Your Gun.O tamanho e a voz robusta de Keel transformaram-no no parceiro ideal de atrizes como Esther Williams (Pagan Love Song, Texas Carnival, Jupiter´s Darling), Ann Blyth (Rose Marie, Kismet), Kathryn Grayson (Show Boat, Lovely to Look At, Kiss Me Kate) e Doris Day (Calamity Jane).Seu filme favorito era o exuberante Sete Noivas para Sete Irmãos . "Tínhamos um elenco excelente e as filmagens foram muito divertidas", lembrou ele em 1993.Quando o estúdio passou por dificuldades, os musicais da MGM foram extintos. Keel continuou ocupado em atrações como Man of La Mancha, South Pacific, Annie Get Your Gun e Sete Noivas Para Sete Irmãos.Keel estava com 60 anos e presumidamente no fim de sua carreira quando se tornou uma estrela em outro meio, a televisão. Em 1978, Dallas, com sua combinação de petróleo, ganância sexo e duplicidade, tornou-se o seriado mais popular da televisão. Em 1981, com a morte do ator Jim Davis, que interpretou Jock Ewing, os produtores da série precisavam de uma outra grande presença para se opor ao nefasto J. R. Ewing Jr. (Larry Hagman). Eles escolheram Keel. "Eu não conseguia acreditar. Minha vida havia mudado novamente. Eu de repente me tornei uma estrela, mais conhecido do que nunca. Para todo o lugar que eu fosse, multidões apareciam de novo e eu comecei a fazer álbuns solo pela primeira vez em minha carreira", comentou Keel em 1995. Como Clayton Farlow, marido de "Miss Ellie" Ewing (Barbara Bel Geddes), Keel continuou em Dallas até o seriado acabar, em 1991.Keel nasceu em Gillespie, Illinois. Teve uma infância difícil e pais repressores. "Eu tive um emprego de mecânico e teria continuado naquele estreito modo de vida se eu não tivesse descoberto a arte. A música me mudou completamente".Aos 20 anos, ele morava em Los Angeles e se tornou amigo de uma mulher culta que o levou a um concerto do famoso barítono Lawrence Tibbet, em Hollywood. Keel se inspirou e começou a ter aulas de canto. Sua primeira oportunidade surgiu como garçom-cantor no restaurante Paris Inn, no centro de Los Angeles, por US$ 15 por semana e duas refeições por dia.Com 1,90 metro de altura e 63 quilos, Keel era muito tímido. Ele trabalhou por cinco anos durante a 2.ª Guerra Mundial na empresa Douglas Aircraft, e a experiência ajudou a torná-lo mais confiante.Ele cantou em recitais e programas de ópera e foi chamado para um teste por Oscar Hammerstein II, que estava procurando jovens cantores para interpretar Curly no número cada vez maior de apresentações de Oklahoma!.Hammerstein aprovou, e, logo, Howard Keel estava cantando Oh, Wath a Beautiful Morning em Nova York, oito vezes por semana. Algumas vezes, ele substituiu John Raitt em outro sucesso de Rodgers and Hammerstein´s, Carousel. Em Londres, ele atuou no espetáculo por dezoito meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.