Morre Harry Lampert, primeiro desenhista do Flash

Com asas nas orelhas, como as do personagem mitológico Hermes, um raiozinho no peito, o personagem dos quadrinhos Flash podia, com sua ultravelocidade, viajar no tempo e atravessar paredes sólidas. No último sábado, um câncer matou em Boca Ratón, na Flórida, Harry Lampert, de 88 anos, o criador do visual do homem mais veloz do mundo, o Flash. Lampert desenhou as primeiras histórias do Flash, com textos do escritor Gardner Fox. Em 1940, saiu a revista Flash Comics nº 1, da DC Comics, um clássico entre colecionadores de gibis. Mas foi no traço de Carmine Infantino que o Flash criou asas efetivamente, duas décadas depois.O Flash sempre foi um personagem secundário dos comics. Mas tem uma legião de fãs em todo o mundo. Lampert o criou como alter ego do cientista Jay Garrick, que se tornou superveloz depois de ser exposto inadvertidamente a um vapor estranho, num acidente de laboratório. Mais tarde, surgiu um segundo Flash, identidade secreta do perito policial Barry Allen, atingido por produtos químicos eletrificados pela queda de um raio.Em 1990, o Flash tornou-se série de TV, dirigida por Robert Iscove, com John Wesley Shipp como o herói.O desenhista Lampert também virou chargista, desenhando para Time, Esquire, New York Times. Publicitário, ganhou um Leão de Ouro em Cannes. Ao aposentar-se na Flórida, virou jogador de bridge, jogo que é exatamente o oposto do conceito de velocidade. Deixou mulher, filha e dois netos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.