Morre George Plimpton, editor da "Paris Review"

O escritor e editor americano George Plimpton morreu na noite de quinta-feira aos 76 anos, em sua casa em Nova York. Ele fundou a revista de crítica literária The Paris Review, em que pelo menos duas entrevistas históricas de William Faulkner e Ernest Hemingway foram publicadas. Amigos foram unânimes em apontar a energia e vitalidade de Plimpton como sua principal característica. Tanto assim que sua biografia é das menos convencionais do mundo das letras: ele lutou box contra Archie Moore, fez as vezes de lançador de beisebol para o lendário Willie Mays, atuou em filmes como Reds, de Warren Beaty, publicou um livro de receitas com Paul Newman, foi trapezista no circo dos irmãos Clyde Beatty-Cole. Mas também escreveu. No Brasil, foi traduzido Escritoras e a Arte da Escrita. É por The Paris Review, contudo, que ele será lembrado entre escritores e amantes das letras. A revista trimestral fundada em 1953 foi marcada por duas grandes vertentes editoriais: a publicação de novos autores da época, como Philip Roth e Jack Kerouac, e entrevistas definitivas com grandes escritores. Foi com entrevistas longas e detalhadas que a The Paris Review revelou muito sobre escritores famosos. Foi nela que Faulkner disse que o melhor trabalho para um escritor era ser dono de um bordel. A revista sempre deu prejuízo, mas quando estava prestes a falir, algum amigo milionário de Plimpton aparecia para salvá-la da bancarrota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.