Morre flautista Altamiro Carrilho aos 87 anos no Rio

O flautista Altamiro Carrilho morreu na manhã desta quarta-feira no Rio, aos 87 anos. Ele havia descoberto um câncer no pulmão recentemente, e não teve tempo de tratá-lo. Vinha com problemas no coração e dificuldades para respirar - justamente o virtuoso que tanto fôlego demonstrava a seu instrumento. Segundo os amigos, além do amor maior pela música, uma outra característica manteve até o fim: o bom humor.

ROBERTA PENNAFORT, Agência Estado

15 de agosto de 2012 | 14h01

"Fui visitá-lo no hospital há algumas semanas e ele continuava fazendo piadas. Estava com um tumor no pulmão e havia a suspeita de ser câncer. O coração operou duas ou três vezes. Depois soube que tinha recebido alta, e agora essa...", lamentou o gaitista Mauricio Einhorn, com quem Altamiro tocava com frequência nos últimos quinze anos.

O último show havia sido no começo de junho, em Uberlândia (MG). Na ocasião, ele disse, um entrevista a uma emissora de TV local: "Eu tenho a impressão de que se eu parar com a música, eu paro. Desde criança, eu convivo no meio dos músicos, fazendo música de alguma forma". Já estava debilitado. Em julho, ficou 17 dias internado. Foi quando o tumor foi descoberto.

Tudo o que sabemos sobre:
Altamiro Carrilhomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.