Morre escritor espanhol Terenci Moix

O escritor espanhol Terenci Moix, um apaixonado pela cultura egípcia antiga, morreu nesta quarta-feira aos 61 anos por insuficiência respiratória. Moix faleceu em sua casa em Barcelona ao lado de sua irmã Ana Maria, segundo a rádio nacional espanhola. O escritor, que foi fumante inveterado e chegou a consumir três maços de cigarro por dia durante décadas, sofria de enfisema. Recentemente, ele havia recebido alta do hospital em que ficou internado por vários meses para tratar do problema. Moix era um produtivo escritor cujo maior sucesso foi No Digas que Fue Un Sueño, que vendeu um milhão de cópias e recebeu o Prêmio Planeta, um dos mais cobiçados prêmios literários da Espanha, em 1986. O romance contava uma história de amor entre Cleópatra e Marco Antônio. O Egito antigo foi tema de muitos livros de Moix, inclusive de seu último, El Arpista Ciego, pelo qual ele foi premiado em 2002. O primeiro nome de Moix era, na realidade, Ramon. Ele adotou o pseudônimo Terenci em homenagem ao poeta satírico romano Publius Terentius. Mesmo quando estava acamado, Moix continuava a escrever. Ele trabalhava em um livro sobre cinema, outra grande paixão. Também se dedicava, atualmente, a criar uma página para a internet. O corpo de Moix vai ser cremado nesta quinta-feira e as cinzas serão levadas para o Egito. Seu desejo era de que suas cinzas fossem jogadas no Vale dos Reis. A pedido do próprio escritor, os membros do Partido Popular, que atualmente governa a Espanha, serão barrados na porta do velório. A decisão de Moix deveu-se ao apoio do governo espanhol à guerra no Iraque. Maruja Torres, escritora e jornalista espanhola que era amiga de Terenci Moix, disse que o escritor passou seus últimos dias lendo e se atualizando sobre os últimos acontecimentos. "Ele não falou de morte porque realmente queria viver", disse Maruja Torres. Moix nunca se casou e nem teve filhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.