Morre diretor do cotidiano japonês

O cineasta Yoshimitsu Morita, cuja obra retratou o absurdo e a vulnerabilidade do cotidiano conformista no Japão, morreu nesta terça-feira, aos 61 anos, de uma falha no fígado. Morita teve sucesso internacional com uma prolífica carreira durante três décadas. Seus filmes são distantemente japoneses no modo com que retratam a beleza frágil da psique e da paisagem nipônica. Ao mesmo tempo, corajosamente, criticam a ridícula tendência à burocracia rígida e à hierarquia ritualística que fazem parte da cultura da nação. Entre seus marcos estão o elogiado Family Game, de 1983, e Tsubaki Sanjuro, um remake de Kurosawa. / AP

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.