Morre autor de Gen Pés Descalços

Vítima da bomba atômica de Hiroshima, quadrinista de 73 anos tinha câncer no pulmão e não desenhava desde 2009

JOTABÊ MEDEIROS, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2012 | 02h04

Morreu no dia 19, aos 73 anos, de câncer, o quadrinista japonês Keiji Nakazawa, autor do clássico mangá Gen Pés Descalços, que foi traduzido em mais de 20 idiomas e vendeu mais de 10 milhões de cópias. O anúncio oficial da morte de Nakazawa só foi feito ontem. A obra-chave do desenhista, Gen, foi influentíssima, sendo referencial para muitos cartunistas americanos, como Art Spiegelman, por exemplo (que prefaciou um dos volumes de suas histórias).

Gen Pés Descalços foi publicado no Brasil pela Editora Conrad, inicialmente. Nascido em Hiroshima, no Japão, Nakazawa tinha 6 anos em agosto de 1945 quando os norte-americanos jogaram de um avião B-29 a primeira bomba atômica sobre sua cidade, provocando a morte de 232 mil pessoas (entre as quais estavam seu pai, seu irmão e suas irmãs). Ele e sua mãe, que morreria 20 anos depois, foram contaminados. Viviam a 1,5 quilômetro do local da explosão.

Seu gibi é considerado um testemunho histórico de raro impacto sobre a irresponsabilidade e a desumanidade que é o uso de armas atômicas em guerras. A gravidade do tema não o impediu de tratá-lo com senso de humor. O personagem Gen (pronuncia-se Guën) Nakaoka é um alter ego de si mesmo, e foi criado após a morte de sua mãe, em 1966. "Quando o corpo dela foi cremado, não sobraram seus ossos. Geralmente, eles resistem à cremação, mas o césio tinha devorado seu esqueleto. O ódio ferveu dentro de mim." Assim nascia Gen (significa raízes, em japonês), e o primeiro trabalho, batizado de Hadashi no Gen, foi originalmente publicado de forma seriada em 1972 e 1973 na Shukan Shonen Jump, a revista semanal de maior circulação no Japão, cerca de 2 milhões de leitores.

Tornou-se o primeiro mangá, ou gibi, a ser encontrado habitualmente nas livrarias escolares no Japão, recomendado por professores e pedagogos.

Nakazawa já não desenhava desde 2009, por não enxergar mais, decorrência de problemas de catarata. Também recebia tratamento contra um câncer no pulmão desde 2010. No quarto e último volume da história, O Recomeço, ele mostrava a penosa tarefa dos sobreviventes da bomba de Hiroshima em retomar suas vidas após a tragédia que se abatera sobre eles. Essa dificuldade acompanharia Nakazawa pelo resto da vida.

Dois filmes foram feitos a partir da série. Gen Pés Descalços 2, de 1986, tinha uma perspectiva expressionista, muitas vezes. A queda da bomba era mostrada primeiro do ponto de vista americano, protocolar e impassível. Em seguida, quando a bomba explodia, já era vista do ponto de vista dos habitantes japoneses da ilha, que viam as pessoas sendo vaporizadas e os edifícios explodindo em múltiplas cores. "Não há Godzillas expostos à radiação ou supermutantes, somente realidades trágicas", definiu Art Spiegelman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.