Morre atriz e bailarina cubana María Antonieta Pons

A atriz e bailarina cubana María Antonieta Pons, uma das mais famosas rumbeiras da chamada época de ouro do cinema mexicano, morreu no México aos 82 anos. O secretário da Associação Nacional de Atores, o grupo artístico a que ela pertenceu até 1970, Juan Imperio disse que María morreu sexta-feira por causas naturais em um hospital particular. Desde 1970, a atriz estava longe do mundo artístico, onde brilhou com suas voluptosas formas junto a outras estrelas da época, como Rosa Carmina, Meche Barba, Amalia Aguilar e sua compatriota Ninón Sevilla.María nasceu em Havana, em 11 de junho de 1922. Na adolescência se mudou para o México, onde logo começou a atuar em cinema. As sensuais danças de María ficaram registradas em muitos filmes, desde 1938, com sua estréia em Siboney, de seu marido, Juan Orol, com quem dividiu os créditos de outros filmes, como Cruel Destino, Los Misterios del Hampa e Embrujo Antillano. Ela também participou do longa brasileiro Carnaval Atlântida, de José Carlos Burle e Carlos Manga, ao lado de Oscarito e Grande Otelo, em 1952. Entre as diversas produções se destacam algumas dedicadas ao gênero infantil e comédias de fazendas, mas seriam suas exóticas danças, que realizava com vaporosos trajes de plumas, que cativaram o público. María atuou com grandes figuras da época, como Pedro Armendáriz, Sara García, Germán Valdés ?Tin Tan?, Enrique Rambal, Blanca Estela Pavón, Manuel Dondé, Luis Aguilar e Lola Beltrán, em uma carreira de quase três décadas. Outros destaques em sua filmografia são Konga Roja, Viva Mi Desgracia!, Rosalinda, La Reina del Trópico, La Insaciable, María Cristina, La Reina del Mambo, Teatro del Crimen, Flor de Canela, e Caña Brava.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.