Morre ator e lutador Ted Boy Marino

O ator e ex-praticante de luta livre Ted Boy Marino morreu na noite desta quinta-feira, no Rio, aos 72 anos, vítima de uma parada cardíaca sofrida após uma cirurgia de emergência devido a uma trombose.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

27 de setembro de 2012 | 21h33

Famoso nas décadas de 1960 e 1970 como astro de telecatch (evento que combinava luta livre, encenação teatral e circo), o ator (cujo nome oficial é Mario Marino) foi internado no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na manhã de hoje, devido a complicações da trombose. Precisou ser submetido a uma cirurgia de emergência que se estendeu por cerca de nove horas. Após a intervenção, o ator sofreu uma parada cardíaca e morreu.

Nascido em Fuscaldo Marina, na Itália, em 1939, aos 12 anos Ted Boy se mudou para a Argentina com os pais e os cinco irmãos. Trabalhava como sapateiro e nas horas vagas praticava luta livre e halterofilismo. Aos 22 anos já atuava como lutador em eventos de telecatch na Argentina e no Uruguai.

O ator se mudou para o Brasil em 1965 e logo foi contratado pela TV Excelsior para atuar como lutador. Nos ringues, ao lado de personagens como Tigre Paraguaio, Electra e Alex, ele derrotava os vilões Aquiles, Verdugo, Rasputin, Barba Negra, El Chasques e Múmia, entre outros.

Ted Boy também fez sucesso no programa "Os Adoráveis Trapalhões", da mesma emissora, onde atuava ao lado de Renato Aragão, Ivon Cury e Wanderley Cardoso. O ator contracenou novamente com Aragão no filme "Dois na Lona".

Anos depois Ted Boy se transferiu para a TV Globo, onde atuou no "Telecatch", que era veiculado aos sábados, e também na "Sessão Zás Trás", em "Orion IV x Ted Boy Marino" e em "Oh, que Delícia de Show", entre outros programas.

Ted Boy morava no Leme, na zona sul do Rio, e será velado nesta sexta-feira (28) no cemitério São João Batista, em Botafogo, na mesma região.

Tudo o que sabemos sobre:
Ted Boy Marinomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.