Morre Alexander McQueen, ícone britânico da moda

Estilista britânico foi encontrado morto em sua casa na manhã desta quinta-feira. Tinha 40 anos

AP,

11 Fevereiro 2010 | 14h18

Alexander McQueen e uma de suas modelos favoritas, Kate Moss. Foto: Myung Jung Kim-pa/AP

 

LONDRES - O estilista Alexander McQueen foi encontrado morto em sua casa em Londres, disse sua porta-voz. Tinha 40 anos.

 

Samantha Garrett disse que o corpo de McQueen foi encontrado na manhã desta quinta, 10, mas não tinha mais informações "sobre as circunstâncias" em que ele morreu. Jornais britânicos dizem que a principal suspeita é de que ele tenha cometido suicídio.

 

MacQueen estava deprimido com a morte de sua mãe, no dia 2 de fevereiro, e disse aos seus seguidores no Twitter que achava difícil conviver a morte dela, segundo a versão online revista "Times".

Desfile de McQueen na primavera-verão de 2010 em Paris. Foto: AP/Michel Euler

 

A polícia não respondeu à pergunta sobre a causa de sua morte e disse apenas que às 10h20 locais eles receberam um telefonema solicitando uma ambulância no endereço da rua Green, no centro de Londres, onde encontraram um homem morto de 40 anos, sem identificar seu nome, mas disseram que os familiares já foram notificados.

 

As autoridade disseram que realizariam uma autópsia, mas que não consideravam sua morte suspeita.

 

A morte do estilista britânico às vésperas da Semana da Moda de Londres ocorre três anos após o suicídio de sua amiga íntima, Isabella Blow, uma musa do mundo da moda que trabalhou em revistas como Tatler e The Sunday Times e uma das pessoas que mais ajudaram McQueen no início de sua carreira.

 

Filho de um taxista e nascido em Londres, McQueen começou muito jovem a desenhar roupas para suas irmãs. Depois, teve entre seus clientes o presidente soviético Mijail Gorbachov e o príncipe de Gales.

 

Após uma estadia em Milão, onde trabalho para Romeu Gigli voltou a Londres onde estudou na academia de St. Martins, formadora de famosos estilistas e foi um dos criadores mais jovens a receber o título de Estilista Britânico do Ano por quatro vezes, entre 1996 e 2003.

 

McQueen foi indicado pelo presidente do grupo de luxo LVMH, Bernard Arnault, para suceder John Galliano em 1996 como estilista da Givenchy, antes de se associar à Gucci em dezembro de 2000.

 

McQueen fecha desfile outono-inverno 2004/2005 em Paris. Foto: Philippe Wojazer/Reuters

 

 

No final de 2007, McQueen tinha butiques em Londres, Nova York, Los Angeles e Las Vegas.

 

Entre as personagens do mundo do espetáculo que usam seus modelos figuram as cantoras Lady GaGa e Rihanna.

 

A diretora da edição britânica da Vogue, Alexandra Shulman disse que McQueen "influenciou toda uma geração de estilistas" e que acrescentou que "sua brilhante imaginação não tinha limites".

 

"Era um mestre do fantástico, disse Alexandra, que criou desfiles surpreendentes que combinavam o desenho, a tecnologia, a ação e por outro lado era um gênio moderno cuja estética gótica foi adotada por mulheres de todo o mundo".

 

Mais conteúdo sobre:
Alexander McQueen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.