MGM
MGM
Imagem Daniel Martins de Barros
Colunista
Daniel Martins de Barros
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Moral de retrovisor

Como insistir na exibição de uma obra condenada no tribunal da internet?

Daniel Martins de Barros, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2020 | 05h00

Eu demorei muito tempo para conseguir assistir E o Vento Levou... inteiro. Numa época em que o acesso aos títulos não estava a um clique, minhas melhores chances eram nas reprises noturnas. Mas com suas quase quatro horas de duração o filme invadia a madrugada e, invariavelmente, eu caía no sono. 

Foi só com o avanço tecnológico que consegui dar conta do recado, só não lembro se foi em DVD ou VHS – sim, essas tecnologias já foram avançadas um dia.

Embora não seja um cinéfilo profissional, eu sempre me interessei muito por cinema e ficava frustrado por não ter assistido uma obra que fazia parte da história do cinema, um dos grandes recordistas do Oscar, que já transcendera as telas para se integrar à cultura geral. Até o gibi da Turma da Mônica já havia lhe feito referência antes de eu ver o filme.

Agora novamente nos vemos em risco de vetar o acesso das pessoas a essa e a tantas outras obras por causa da explosiva conjunção entre redes sociais e moral retroativa.

A famigerada cultura do cancelamento, como ficaram conhecidos os movimentos maciços de críticas a pessoas, instituições ou obras cujas mensagens ou atitudes não se coadunam com a moral vigente, extrai sua força quase exclusivamente das redes sociais. Quando alguém diz algo racista, sexista, discriminatório, qualquer coisa que seja vista de forma negativa por um grupo, a reação nos sites de relacionamento é imediata. Dependendo do tamanho do grupo e do engajamento que ele propicia, surge uma reação em cadeia; esta se amplifica na caixa de ressonância dessas plataformas digitais e, a depender do tamanho de tal reação, extrapola a bolha onde surgiu, passando a ser tópico de conversa em diferentes grupos. 

Se em todos os graus de repercussão a reputação do protagonista é abalada, é nesse último nível que mora o terror de quem vive de sua imagem. O temor é ver usuários deixando de seguir os perfis, assinantes cancelando as inscrições, consumidores mudando as escolhas. Para evitar essa debandada, o roteiro varia pouco: pedido de desculpas, retratação, alguma atitude compensatória e por aí vai.

É nesse pacote que entram as suspensões de obras, demissão de atores, cancelamento de contratos, revisão de trechos de livros. Tudo para dar uma satisfação e apaziguar sobretudo os exibidos morais, motores desse tipo de situação.

O exibicionismo moral (moral grandstanding) pode ser definido como o uso de declarações éticas como forma de autopromoção. O exibido moral fala sobre suas posturas com intuito de demonstrar superioridade com relação aos que dele discordam. A ideia é fazer com que se sintam mal todos aqueles que não compartilham dos mesmos pontos de vista. Presente tanto à esquerda como à direita, são essas pessoas as mais barulhentas no mundo virtual.

Agora some-se a isso a moral retrospectiva, na qual se julgam a correção das posturas e atitudes passadas a partir de parâmetros atuais e nos encaminhamos para um novo obscurantismo, no qual obras que refletem o espírito de uma época são proibidas como se fossem peças de propaganda de algum ideal condenável. Embora se queira progressista e esclarecida, essa ética de retrovisor é filha do anti-intelectualismo, pois só a ignorância é capaz de explicar a incapacidade de uma leitura contextualizada conforme a época de produção de uma obra.

Trata-se de um dilema para as empresas de conteúdo. Insistir na exibição de um filme ou na venda de uma obra condenada no tribunal da internet é arriscar ficar sob ataques cujo impacto não se pode conhecer de antemão. Suspendê-la é apequenar não apenas o próprio portfólio como o próprio acervo cultural disponível para a sociedade.

Por isso que me pareceu inteligente a saída encontrada pela HBO para manter E o Vento Levou... em seu catálogo. Em vez de banir a obra ou editá-la, o canal apresenta junto com ela vídeos que explicam seu contexto histórico e debatem seu legado. Superficialmente serve de satisfação tanto para os exibidos como para quem não quer ou não consegue pensar além. Mas ao mesmo tempo é uma bela oportunidade para quem quer conhecer de fato a obra e pensá-la de forma mais ampla. 

*

É PSIQUIATRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.