Moradia é retratada em exposição

A Evolução da Moradia Brasileira é uma mostra de nove painéis dispostos como biombos que traçam um panorama sobre o modo de habitar do brasileiro. A ordem é cronológica, passando das ocas indígenas, as casas bandeiristas, caiçaras, passando pela urbanização e influência européia. Lá estão reproduzidas as mansões do final do século 19, casas modernas, a popularização dos eletrodomésticos, as residências dos anos 60 (Oscar Americano e Oscar Prado Júnior), cozinha contemporânea e colonial e o isolamento imposto pela televisão, que retrata.A mostra é feita com reproduções de obras de arte, fotografias e trechos de obras da literatura nacional. Assim, a mostra tem painéis como o que retrata a influência européia, com pintura de Almeida Júnior e uma fotografia de época mostrando o salão de uma casa em Niterói, acompanhados de trecho do livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e de Senhora, de José de Alencar.Já o painel Segurança, Conforto e Lazer mostra um retrato da casa de Oscar Americano e o apartamento de Oscar Prado Júnior e o design típico da época ao lado de trecho da música Panes et Circenses de Caetano Veloso e Gilberto Gil. E sobre a chegada da televisão aos lares brasileiros, duas imagens comparativas retratam seu papel central da convivência em casa, com trecho da música A Televisão, de Chico Buarque. E por aí vai.A exposição tem curadoria de Lygia Eluf, coordenadora de artes plásticas da Unicamp e assessora da curadoria do MAM. Segundo ela "a produção do espaço arquitetônico de morar é resultado de um processo criativo, conduzido pelas necessidades sócio-econômicas e culturais de um povo, em uma determinada época. O espaço de habitar no Brasil é um campo de criação específico, de aspectos variados, que busca a interligação do homem e da casa". A Moradia do Brasileiro - Centro de Educação em Design de Interiores, de 28 de maio a 08 de junho de 2001, segunda a sexta das 9h às 22h, e aos sábados das 9h às 14h. Al. Barros, 910, Higienópolis, tel: 3662-2152

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.