Montagem discute limiar entre razão e fé

Estreou na semana passada a peça Missa Para Santa Cecília - O Sentido da Memória, um espetáculo de dança-teatro de caráter experimental. A direção é de Maria Mommensohn, à frente do grupo Minik Mondó - que significa oferecer a dança, em tupi - composto por onze bailarinos-atores. Para essa montagem, o grupo venceu o Prêmio Estímulo de Dança - Novos Espaços Coreográficos, do Governo do Estado de São Paulo.O espetáculo discute o limiar entre a razão e a fé, centrado no tema da experiência mística. Isso se dá através de um roteiro baseado em "processos da alquimia, com uma fase de separação dos elementos, no caso, dos sexos, e uma segunda de fusão, formando um hermafrodita", explica a diretora. Para isso, "transcende-se a corporalidade pela revisitação do passado bíblico, remontando à cena da expulsão do paraíso". Para encenar o processo, o grupo lança mão da personagem de Santa Cecília, mística cristã do século 2, e seus seguidores.A peça divide-se em sete cenas bem delimitadas, dentre as quais se destaca claramente a segunda, onde aparecem os fiéis penitentes, a princípio suplicantes, e, em seguida, em confronto entre si.É fundamental a leitura do programa, pois, como montagem de efeito essencialmente visual, a peça não contém diálogos. Seu enredo sustenta-se através da união de três elementos: a música, uma sobreposição contínua de árias, peças clássicas e concretistas; a dança e a expressão corporal, que se alternam e se misturam; e, por fim, a iluminação.Missa para Santa Cecília - O Sentido da Memória - Direção: Maria Mommensohn - Funarte/SP, Al. Nothman, 1058, Campos Elísios, tel.: 3662-5177. De sexta a sábado, às 21h; Domingo às 20h. Até 13 de agosto. Ingressos: R$10,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.