Montagem combina dança, teatro, música e pintura

A interdisciplinaridade é uma das marcas da dança contemporânea. Música e artes plásticas estão presentes em muitos trabalhos para compor a coreografia, como no caso de Bacon, de Armando Aurich e Reinaldo Soares, que será apresentada neste final de semana na área de convivência do Sesc Pompéia.O espetáculo foi baseado no trabalho do pintor inglês Francis Bacon: "Todo o trabalho de Bacon expõe a miséria e o desespero do homem moderno", conta Aurich. "Esse é um trabalho que traz a violência dos sentimentos expressas no corpo."Com o apoio da bolsa da Rede Stagium, Aurich elaborou uma coreografia que exprime os conflitos internos e sensações, ao mesmo tempo que busca a essência desses sentimentos pela movimentação adotada na peça. À moda de Bacon, que procurava chegar ao âmago daquilo que pintava.A antropofagia também aparece no trabalho de ambos os criadores como um elemento que incorpora a realidade humana com a violência dos sentimentos. "Como uma testemunha da condição humana, ela exprime conflitos como a volúpia e a dor, por exemplo," explica Aurich.Outro fator que impulsionou Bacon foi o contato entre o criador e as fotografias feitas por Muybridge. "As imagens foram fonte de inspiração para mim, assim como foram para Bacon, porque mostram um corpo como registro de paixões."Quanto à influência surrealista presente no trabalho, Aurich diz: "Ela está sempre nas artes, mas é importante destacar que você não consegue ser mais horripilante que a própria vida." O trabalho é uma fusão entre dança e teatro: "sobre a classificação, posso dizer que a coreografia está mais para teatro-físico que para dança."Bacon - Sábado e domingo, às 16 horas. Grátis. Sesc Pompéia - Área de Convivência. Rua Clélia, 93, tel. 3871-7700.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.