Monólogo ironiza estereótipo feminino

Apesar do nome, Clara é uma personagem que vive obscuramente. Trancafiada em casa há vários anos, convive com eletroeletrônicos e eletrodomésticos e a vida com o outro tece pela telinha do computador. Sobrevive de um "negócio" de troca e venda de usados, controlada pelo zelador do prédio. Na sala do apartamento, pratica "aerosoterismo", esporte da nova era, misto de aeróbica e esoterismo, que garantirá uma vida perfeita, corpórea e espiritual. Clara, na verdade, esconde-se por não se sentir apta a corresponder às imposições da mídia, como ter um corpo escultural, uma profissão de sucesso, uma vida familiar perfeita e, de quebra, dinheiro para realizar todos os sonhos.A personagem dá vida ao monólogo Você Vai Ser o que Você Quer Ser, com a atriz Eloísa Elena e texto e direção de Luiza Jorge, que estréia hoje em espaço alternativo, no Café Teatro & Cia. (Dr. Vila Nova, 241). Ambas se conheceram quando atuavam na novela Canoa do Bagre, da TV Record, e pensaram em tecer uma crítica, a um tempo cômica e dramática, do papel da mulher no contexto sócio-econômico contemporâneo."Interessa-me entender como a psicologia humana se mostra por meio de experiências cotidianas", diz Luiza Jorge, que além de autora, é atriz, produtora e coordenadora do Programa Panamco de Teatro Jovem. Para escrever o texto, Luiza conversou com professores de academias de ginástica, cirurgiões plásticos e, claro, com muitas mulheres, a maioria executivas na faixa dos 30 anos. "É incrível como a mídia dita o padrão estético feminino, que hoje passa pelo peito e bumbum da Feiticeira, o cabelo e a boca de Gisele Bündchen", ressalta a autora. "E a embalagem tem que vir acompanhada de muito sucesso afetivo e profissional."A peça mostra, mas não pretende solucionar. A personagem Clara tende a ser a metaforização da mulher que, por medo, foge ao "zeitgeist" (o espírito da época) ao invés de enfrentá-lo. O título do espetáculo parodia a famosa Você Vai Ver o que Você Vai Ver (dirigida por Gabriel Villela), alertando de forma direta que se é o que se escolhe ser. O ponto de partida da peça é a decepção da personagem, quando o namorado virtual envia-lhe uma mensagem confessando ser casado, o que impedirá que o sonhado encontro real aconteça. A personagem, que vive enlouquecida na solidão improdutiva da dia-a-dia, resolve dar trela, então, ao vizinho, um voyeur, pronto para o ataque.Operando sozinha - Sozinha em cena, ocupando um pequeno palco de cinco por seis metros quadrados, a atriz Eloísa Elena, 33 anos, não só relaciona-se com vários aparelhos eletroeletrônicos, como liquidificador, interfone, touca térmica, fax, computador e controles remotos, como manipula, ela própria, o som e a luz do espetáculo. "É um desafio e tanto", diz a atriz, que debuta no monólogo. "A solidão da personagem é reforçada pela solidão da atriz em cena. Se algo falhar, terei que saber improvisar." Elena, que tem 15 anos de carreira, pôde ser vista recentemente nos espetáculos Sacromaquia, como a personagem Tereza, e no infanto-juvenil Corda Bamba.Luiza Jorge é autora de Trajetória de Nós, montada no início dos anos 90, em que abordava por meio de vários quadros o imaginário do homem e da mulher sobre o sexo oposto. Escreveu também Clube da Tempestade, em parceira com Jamil Dias, retratando um cabaré como espaço cênico. E tem três textos inéditos, entre eles Meu Primeiro Amor, trajetória de uma mulher entre os anos 50 e 70, que já teve leitura dramática com direção da atriz Irene Ravache.Você Vai Ser O Que Você Quer. Comédia. Texto e direção Luiza Jorge. Duração: 65 minutos. Sexta e sábado, às 21h30; domingo, às 19h30. R$ 12,00. Café, Teatro & Cia. Rua Doutor Vila Nova, 241, tel. 3129-5440. Até 30/9

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.