Monalisa atrai visitantes no site do museu do Louvre

Girar, virar, aproximar, observar Monalisa e outras 1,5 mil obras célebres com lente de aumento. Tudo isso é possível entrando no novo site do mais famoso museu parisiense, o www.louvre.fr. Todos os dias é possível visitar virtualmente o museu do Louvre e, navegando de um link a outro, descobrir as 35 mil obras da coleção e 140 mil peças entre desenhos e miniaturas muito frágeis que estão expostas. O novo visual custou 7 milhões de euros, cinco anos de trabalho e a energia de uma centena de pessoas, entre técnicos, tradutores e pesquisadores. "O site do teatro La Scala de Milão nos agradou tanto que quisemos um igual nós", afirmou Myriam Prot, responsável pelo projeto. "O velho site do museu era estático e institucional demais. Era preciso inventar alguma coisa de novo, que apontasse para as multimídias, que incluísse informação pedagógica e atingisse as exigências dos diversos públicos". A história do Louvre ilustrada a cores, planta tridimensional, percursos guiados, módulos multimídias e interatividade, diversas explicações culturais, glossário, mecanismo de busca, espaço para crianças, professores e profissionais: este novo site parece pensar realmente em tudo e em todos. "Nos o chamamos de site de mediação cultural porque ajuda na visita e desenvolve um verdadeiro papel de intermediário entre as obras e o público", continua Myriam. O site recém foi criado, mas a equipe já está pensando no futuro. "Existe ainda muito o que fazer. Está em projeto a tradução para muitas línguas, como por exemplo o chinês, enquanto para francês e inglês já está disponível. A criação de um site escondido para as crianças, a bilheteria on-line, os projetos científicos... in suma, trata-se de uma obra em andamento que não terminará nunca", observa a funcionária. Desde que foi inaugurado esse novo site as visitas duplicaram. São doze mil visitantes por dia e já se aponta para 10 a 15 milhões de visitas anuais. Do resto, com os seus seis milhões de internautas por ano, o primeiro site - lançado há dez anos - já tinha uma freqüência comparável à do museu propriamente dito. Em 2004, foram contabilizados 6,6 milhões de visitantes, dos quais 65% eram estrangeiros. A abertura do site internet poderia ser um estímulo a mais para atrair novos turistas. Até 2010 o Museu prevê acolher de 7 a 8 milhões de visitantes, ultrapassando e muito os 4,5 milhões que a famosa pirâmide fora projetada para suportar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.