Momix estréia hoje em São Paulo

Lagartos saltitantes, flores exóticas, serpentes gigantes, pássaros coloridos e cáctus saguaros compõem o cenário de estranhos e sedutores habitantes do deserto do espetáculo Opus Cactus, que o grupo de dança contemporânea Momix estréia hoje em São Paulo.Como convém a uma companhia de bailarinos-acrobatas-ilusionistas, os dez integrantes do grupo dirigido por Moses Pendleton protagonizam cenas que combinam dança com efeitos teatrais. Dividem enormes armações metálicas, materializam no palco cactus, serpentes, flores e monstros pré-históricos, voam, usam ventiladores como vestimentas, brincam com fogo, desafiam a lei da gravidade.O deserto de Pendleton chega ao palco dividido em dois atos, e estes em vinhetas, animadas por uma seleção musical eclética, que mistura Bach, Brian Eno, Dead Can Dance, música dos índios norte-americanos e de aborígenes australianos. "Utilizamos músicas de aborígenes, outras típicas dos Estados Unidos e a eletrônica, uma miscelânia de sons que corresponde a idéia de somar o passado com o presente para criar o futuro", diz o coreógrafo.Em sua última temporada internacional, em 98/99, o Momix passou por 22 países, incluíndo o Brasil. Nesta turnê, o grupo estreou no Rio de Janeiro, já passou por Salvador, Brasília, Belo Horizonte e ainda irá a Porto Alegre e Curitiba, onde encerra sua temporada brasileira no dia 27. Opus Catus, no Teatro Municipal (Pça. Ramos de Azevedo, s/nº). Hoje, às 21h; amanhã às 17h30 e às 21h e quinta-feira,às 21h. Preços: setor 1 R$ 90, setor 2 R$ 70, setor 3 R$ 50, setor 4 R$ 35, setor 5 R$ 20.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.