Reprodução
Reprodução

MoMa edita obra de Mário Pedrosa

Museu de Arte Moderna de Nova York vai publicar livro com ensaios, alguns inéditos, do respeitado crítico brasileiro

Camila Molina, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2011 | 00h00

"Não temos hoje alguém que possa trabalhar em tantas esferas diferentes como a crítica, a política e ainda erguer museus", diz Jay Levenson, diretor do Programa Internacional do MoMA (Museum of Modern Art) de Nova York, sobre o crítico brasileiro Mário Pedrosa (1900-1981). Já é um projeto antigo, mas agora o museu norte-americano, uma das instituições de maior prestígio no mundo, está preparando um amplo livro sobre o crítico que, como já definiu a filósofa Otília Beatriz Fiori Arantes, foi o "principal responsável pela modernização das nossas artes (brasileiras) na segunda metade do século (20)". Mas, curiosamente, apesar de sua trajetória intensa e com passagens em tantos países, Pedrosa é um desconhecido nos EUA - pouquíssimos de seus textos foram traduzidos para o inglês.

"É importante ver a arte brasileira por meio de seus olhos, ver um período por meio de uma personalidade", continua Levenson, que esteve esta semana em São Paulo e no Rio, em passagem rápida justamente para tratar do projeto do livro sobre Pedrosa. A publicação Mário Pedrosa - Uma Antologia está programada para ser lançado no MoMA em 2013, quando o museu vai realizar uma retrospectiva da artista brasileira Lygia Clark (1920-1988), com curadoria do venezuelano Luis Pérez-Oramas (que agora, em licença da instituição, está preparando a 30.ª Bienal de São Paulo, a ser inaugurada em 2012). O MoMA, na ocasião do lançamento do livro e da mostra de Lygia, vai promover um extenso seminário sobre os dois brasileiros.

A obra de Mário Pedrosa, sumidade no Brasil, está bem apresentada em antologias já realizadas por Otília Arantes e por Aracy Amaral, mas a publicação sobre o crítico a ser lançada pelo museu norte-americano representa o peso de um reconhecimento em nível internacional de uma "filosofia da arte brasileira", como diz o curador e crítico Paulo Herkenhoff, que participa do projeto.

"Da década de 1920 até a sua morte, ele partiu do modernismo e chegou ao contemporâneo, sendo ainda um pioneiro do pós-modernismo, interessado no imaginário, na luta pela liberdade", analisa o curador.

Jay Levenson conta que foi Herkenhoff quem lhe apresentou a figura de Mário Pedrosa, quando o curador brasileiro trabalhou no departamento de pintura e escultura do MoMA, entre 1999 e 2002. O livro sobre Pedrosa integra o programa de publicações Primary Documents que, da América Latina, já tem lançadas edições sobre o crítico e fotógrafo venezuelano Alfredo Boulton e de escritos que se centram na década de 1960 na Argentina. A coleção ainda se dedica a fazer trabalhos sobre o Leste Europeu, a Ásia e África, como explica Levenson.

"Temos muito claro o conceito do livro e prefiro dizer que os editores sejam Paulo Herkenhoff e Glória Ferreira. Sou um facilitador para que ocorra a publicação, busco os recursos", afirma o diretor do MoMA. Segundo ele, a obra terá cerca de 400 páginas, incluindo entre 60 e 70 ensaios de Mário Pedrosa, ilustrações e ampla cronologia como contextualização dos temas e dos períodos para os americanos. Mais ainda, a publicação contará com textos de autores convidados como Lauro Cavalcanti (para falar de arquitetura); Vera Pedrosa (filha do crítico); Catherine Bompuis (ex-curadora do Centro George Pompidou); e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Mário Pedrosa foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores).

"Estamos muito preocupados com as traduções dos textos de Pedrosa para o inglês. Seus primeiros escritos saíram em jornais e algumas vezes há erros de tipografia", diz Levenson, acreditando que serão necessários cerca de nove meses para traduzi-los.

A pesquisa dos ensaios de Pedrosa que integrarão o livro está sendo feita em parceria com a família do crítico e por meio dos arquivos do intelectual guardados na Biblioteca Nacional, no Rio. "Encontramos alguns inéditos sobre o Oriente", diz Herkenhoff, contando que Pedrosa esteve nos anos 1950 no Japão.

A edição é realizada, a princípio, para o público norte-americano, mas há projeto de se fazer edição em português do livro no futuro. Como conta Levenson, por meio de parcerias com a Fundação Cisneros da Venezuela e da Fundação Proa, da Argentina, foi possível lançar em espanhol as outras duas publicações latino-americanas da coleção.

QUEM É MÁRIO PEDROSA

CRÍTICO DE ARTE E PROFESSOR

A sentença arte como "exercício experimental da liberdade" se tornou a expressão predileta - e assinatura - de Pedrosa. Nascido em Timbaúba (PE), em 1900, e morto no Rio, em 1981, estreou como crítico em 1933 ao proferir conferência sobre a obra da escultora e gravadora alemã Käthe Kollwitz. Foi próximo e mentor de criadores, defensor do neoconcretismo, interessando-se ainda por arquitetura. Participou das Bienais de São Paulo de 1953 e 55; diretor do MAM-SP em 61; e ajudou a fundar o Museu da Solidariedade, no Chile. Por sua postura política, de esquerda, teve de se exilar mais de uma vez do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.