Moda vira patriotismo no VH1/Vogue Awards

Moda virou sinônimo de patriotismo no mais importante prêmio fashion dos Estados Unidos. O VH1/Vogue Fashion Awards, realizado na sexta-feira e exibido ontem pelo canal irmão da MTV, elegeu Marc Jacobs como o estilista do ano, celebrou o estilo nova-iorquino das garotas de Sexo e a Cidade (Sex and the City) e virou plataforma de lançamento para uma campanha para incentivar o consumo no país. O evento teve também a participação do prefeito Rudolph Giuliani, da senadora e ex-primeira-dama Hilary Clinton e até do milionário Donald Trump.Além de concentrar as atenções na indústria, no estilo e nos personagens de Nova York, esta edição do VH1/Vogue Fashion Awards foi a mais correta sob o ponto de vista da moda. Claro, alguns prêmios (curiosamente aqueles votados pelo público, por meio do web site da Vogue) acabaram não refletindo muito conhecimento fashion, mas boa parte das categorias fez justiça a quem realmente tem alguma relevância.Também foi a primeira vez que o evento teve uma presença tão maciça dos principais estilistas americanos. Os maiores nomes do Council of Fashion of Designers of America - Calvin Klein, Donna Karan, Tommy Hilfiger, Oscar de la Renta, Kenneth Cole, Carolina Herrera, Michael Kors e Vera Wang - foram ao palco para lançar a campanha nacional para incentivar o consumo e reaquecer a economia americana.Todos usavam a camiseta que vai ser vendida a partir de 1º de novembro para ajudar as famílias das vítimas dos atentados terroristas de 11 de setembro, que tem uma estampa de coração com as cores da bandeira americana. No mesmo espírito, Hillary Clinton, vestindo um modelo de Oscar de la Renta, convocou os americanos a visitar e gastar dinheiro em Nova York.Em termos de moda, os momentos mais importantes foram a premiação de Marc Jacobs como estilista do ano (o homem responsável pelo reestabelecimento fashion da Luis Vuitton ainda não tinha ganhado uma exposição tão mainstream no país); de Stella Tennant como modelo do ano (a veterana ?legaliza? a presença de mães nas passarelas e confirma o hype da volta das supermodelos dos anos 90); John Galliano como ?estilista rebelde?; e o de Sexo e a Cidade como programa mais fashion. Este, por sinal, celebra o estilo da lendária Patricia Field, responsável pela mistura de elementos da região chique novaiorquina de Uptown com influências das mulheres descoladas de Downtown, em um look que a atriz Sarah Jessica Parker batizou de ?girl about town? (garota por toda a cidade). Sexo e a Cidade entra para história como o programa mais influente da TV americana dos últimos anos.Outros premiados foram Moby, na categoria de vídeo inovador, com South Side (injustiçando Knives Out, do Radiohead, obra-prima do diretor Michel Gondry); Gwen Stefani, do No Doubt, por seu ?estilo roqueiro?; Destiny?s Child, por ser um ?grupo ultrajante?; e Jim Carrey e Renée Zellweger (ela em um perturbador look anoréxico) como celebridades mais bem vestidas. O artista antigamente conhecido como Puff Daddy (que se considera ?o Tom Ford da Sean John?, sua marca) recebeu a estatueta de ?homem de guarda-roupa mais preciso?. Assim como as meninas do Destiny?s Child, ele creditou o estilo à mãe.O prêmio também teve a primeira aparição de Gisele Bündchen com o novo corte de cabelos (na altura dos ombros e com os fios alisados) e a premiação do suposto ex-namorado dela, Josh Hartnett (de As Virgens Suicidas e Pearl Harbor) como ?melhor novidade?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.