'Moda tem que ter um propósito', diz Ronaldo Fraga

Estilista apresentou uma coleção sobre a tragédia de Mariana durante a São Paulo Fashion Week

Maria Rita Alonso, Especial para O Estado de S. Paulo

27 Abril 2018 | 12h02

Moda tem que ter significado?

A gente não quer mais coisas mudas, tudo tem que ter uma fala, um suspiro que seja. A moda tem que ter um propósito, assim como a vida. 

Tocar em assuntos relevantes traz narrativa para a passarela.

Acho que sim. A história das fotos perdidas pelas famílias que tiveram suas casas inundadas, em Mariana, me marcou muito. Logo quando aconteceu a tragédia, vi na TV o Seu Antonio, que por oito meses cavou o lugar onde estava a casa dele à procura de uma foto das duas filhas gêmeas que morreram. A única coisa que ele tinha era essa foto. 

Barra Longa está em processo de reflorestamento?

A cidade está reconstruída, está melhor do que era antes até. As plantas já tomaram conta do lugar. Eu digo que é uma lição de resistência para a gente, são elas as primeiras que rompem a terra seca.

Neste momento em que o varejo passa por uma crise, a moda está resistindo?

O mundo mudou rápido, envelheceu rápido e a gente está querendo sentidos novos para velhas coisas. São tempos de resistência, e isso é no mundo inteiro. Hoje, por exemplo, não me interessa o que você faz, mas por que você faz.

E por que você faz roupa?

A roupa é meu canal de comunicação e isso pode ser transformador. Não dá para esconder a tragédia debaixo do pano. As barragens continuam rompendo no Brasil, mas não queria reforçar a tristeza. Queria que fosse um alento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.