Moda masculina de grife ou nas lojas do Bom Retiro

A hora é boa para a rapaziada mais ligada em moda renovar os modelitos. Várias grifes de primeira grandeza estão fazendo promoções, e essa pode ser a chance de ter pelo menos um item fashion no armário. O estilista Fause Haten, por exemplo, que tem uma moda masculina arrojadíssima, faz até sábado uma venda especial com descontos de mais de 50% em sua loja na Alameda Lorena, 1.731. A Mandi, outra grife queridinha do circuito Iguatemi-Daslu, promove seu primeiro bazar, com descontos que vão de 60% a 80%. A liquidação vai até o dia 9 de abril e vale só para a loja da Rua Sabugi, 73 (tel.: 3031-6983). Outro endereço bem bacana para comprar roupas de marca (sem pagar muito por elas) é o Happy Bazaar, que começa no dia 25 de março e vai até o dia 17 de abril, na Praça Benedito Calixto, 79. Lá, serão vendidas mais de 30 marcas, entre masculinas e femininas, como Cavalera, Jum Nakao, Mareu Nitschke, Rodrigo Fraga, V-Rom, Lorenzo Merlino, Camisaria Nacional, entre outras. Vai ter jeans por R$ 40, jaqueta por R$90 e camisetas por R$ 20. Quem correr ainda pode tentar achar alguma peça da venda especial (de R$ 10 a R$ 100) que o estilista Mário Queiroz fez em sua loja (Al. Franca, 1.166). Agora, a coleção nova já chegou, mas com sorte, quem sabe sobrou alguma peça... Bom Retiro para rapazes é surpresa da moda A mulherada, faz tempo, descobriu as vantagens de fazer compras no ´Bonra´ (para os íntimos), lugar certo para quem quer se vestir na moda, sem gastar uma fortuna, desde que tenha paciência de procurar itens de qualidade. O que pouca gente sabe é que naquele mar de vitrines femininas há alguns bons achados para rapazes. O preço, de novo, é o principal atrativo. Por ali, é possível encontrar blusas de tricô na faixa de R$ 20, camisas sociais por R$ 40, calças capri jeans por R$ 30 e até ternos risca-de-giz na faixa de R$ 200. Em shopping, dependendo da loja, um artigo semelhante pode atingir cifras estratosféricas, com pelo menos um zerinho a mais. Mas isso não acontece na Decinel, uma das poucas lojas do Bom Retiro que vendem ternos. A casa, com mais de 30 anos no ramo, hoje é administrada por por Décio Tkacz, filho do fundador Samuel. "Esse terno de R$ 204 é o mais caro da loja", ressalta Genário Lopes Santana, o vendedor que está na casa há 22, ao apontar exatamente o risca-de-giz exposto na vitrine. Lá há inacreditáveis jaquetas de náilon, dessas grandonas que os moços adoram, por módicos R$ 60. Também tem calça social por R$ 26 e camisas por R$ 24. Quase em frente, na Hyppo, o consumidor encontra agasalhos por R$ 58 e camisetas pólo por R$ 25. Na Rua da Graça, como no feminino, o forte são os tricôs. A Mix Trix tem blusas por R$ 30, além de camisetas de Dry Fid de R$ 25. As regatas deste material saem por R$ 15. Lá também tem calças capri (R$ 30), de sarja (R$ 40) e jeans (R$ 50). Na Lunik, que não é exclusivamente masculina, há malhas lisas e listradas na faixa de R$ 98. A região é farta em ofertas, como as da ponta-de-estoque da marca 775, que vende camisas por R$ 19,90, camisetas por R$ 16,90 e bermudas por R$ 19,90. Para os surfistas, a Sunset Beach reserva bermudas por R$ 40, calças cargo de R$ 25 e camisetas de R$ 15. Os engomadinhos têm ainda mais opções. A confecções Flank vende calças e camisas sociais, além da linha de camisetas da Pool, cuecas Zorba e meias Lupo. A Cyona é especialista em roupas sociais de fabricação própria. Já a Adji tem uma grande variedade de roupas casual, com calças de sarja a R$ 29 e camisetas por R$ 19. Para a rapaziada muito acima do peso, a Peso Pan tem numeração para gordos elegantes. Na entrada da loja, as camisetas GG estão em promoção por R$ 20. A Via Marks tem linha completa, e está vendendo bermudas a R$ 19,90. A Fascynios tem camisas para todos os gostos e colarinhos, com preços a partir de R$ 29. Na Umem tem calça capri jeans por R$ 30, entre outras ofertas. Na Rua dos Italianos fica Main Street, onde Pavlos Theodakis faz moda masculina há 11 anos, menos ternos. Há jeans de R$ 49, camisas de R$ 47 e até cortes italianos de R$ 69. "Aqui o que vale é o preço e a qualidade", diz Edna de Lamare, técnica contábil que vai à loja comprar roupa para o marido. Normalmente é assim: a mulher descobre as lojas e leva as peças de presente. "Os homens, quando vêm, preferem o sábado, depois das 13h para não pagar zona azul. Por isso ficamos abertos até às 16h", avisa o lojista. Ali pertinho fica a loja da Da´ello, grife de couro que ampliou sua gama para todos os artigos masculinos. Mas a vitrine anuncia ternos por R$ 263. Ops... são três parcelas de R$ 263. Melhor eles mudarem para um shopping.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.