Mito e efeitos especiais no 'Avatar' de Night Shyamalan

M. Night Shyamalan ia chamar seu novo filme de Avatar quando foi surpreendido pelo lançamento - e extraordinário sucesso - da saga em 3D de James Cameron. Mudou para O Último Mestre do Ar que, convenhamos, não tem a mesma força. Mas também não precisava de muita coisa para nomear essa aventura de traços míticos que, mesmo sendo também em 3D, parece muito meia boca para merecer título mais pomposo.

Crítica: Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2010 | 00h00

O "Avatar" de Night é um garoto cheio de poder, que teria controle sobre as forças dos quatro elementos que compõem o mundo - ar, água, terra e fogo. Cada um dos povos controla um dos elementos. Só Avatar domina os quatro. Seria uma força de unificação, num mundo dividido. Uma leitura metafórica passaria por aí, se não fosse abusiva: é preciso uma força superior a todas as outras (uma espécie de polícia do mundo, diríamos) para que cada qual não se perca na exuberância de sua força particular.

No mundo de Night, a força do mal, a mais descontrolada, é a do fogo. Seriam os guerreiros, por natureza. As mais benignas, as do ar. E estas, na figura de dois personagens, fornecerão ajuda ao garoto Avatar. Sim, porque, na história, ele foi insuficientemente treinado e não desenvolveu todos os seus poderes.

Nesse ambiente mitológico, Night usa e abusa dos efeitos especiais, que, pela repetição, acabam perdendo eficiência. O mesmo se pode dizer das artes marciais e suas coreografias. Quem viu uma luta, viu todas. Nem se deveria perder tempo em comentar as possíveis ideias por trás da história. Não existem. Ou são infantis demais, sem querer sê-lo.

Trailer. nome

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.