Mistério cerca roubo de quadro atribuído a Da Vinci

Eram 11 horas da manhã de verão, quarta-feira, na pequena cidade de Dumfries, quando dois turistas chegavam perto da Virgem do Fuso, atribuída a Leonardo da Vinci, o maior tesouro artístico do castelo de Drumlanrig e um dos maiores de toda a Escócia. Mas esses visitantes não queriam admirá-lo. Em segundos, dominaram o guia, desarmaram o alarme, tiraram o quadro da parede e levaram-no.A polícia, agora, está atrás de quatro homens vistos num Volkswagen branco perto do castelo, por volta das 11h15. E também distribuíram descrições de dois deles, vistos perto do castelo na hora do roubo. Mais um problema, num país em que o Conselho de Prevenção de Roubos de Arte e Antigüidades calcula que ladrões levam entre US$ 470 a 500 milhões em obras, a cada ano.Essa é uma parte do quebra-cabeça. Para os marchands e especialistas em arte, existe outro: por que os ladrões escolheram justamente essa obra, tendo à disposição toda uma rica coleção? E sabendo que um Da Vinci não poderá ser comercializado por receptadores sem que a polícia o encontre rapidamente? Ainda mais porque esse quadro é o sujeito de uma história discutível.Os historiadores de arte não ignoram que Leonardo estava trabalhando nessa obra, entre 1500 e 1510, para a Secretaria de Estado do rei francês Luís XII. Mas há duas versões dela - a outra está nos Estados Unidos - e em nenhuma se tem segurança do quanto o pintor pôs a mão na obra."Há uma discussão, de anos, sobre qual das duas é a original e a resposta é: nenhuma", diz Brian Sewell, um dos principais críticos de arte da Inglaterra, em matéria publicada pelo site do New York Times. "Não há dúvida de que a pintura (escocesa) foi iniciada por Leonardo, mas foi quase que certamente concluída por alguém não tão competente de seu ateliê."Apesar disso, pintura é avaliada por especialistas em arte em cerca de US$ 47 milhões. Ela estava pendurada no hall das escadarias do castelo, uma área aberta ao público."Está lá há mais de 250 anos", diz o conde de Dalkeith, filho do duque de Bucleuch, um dos mais ricos senhores de terra da Escócia. "É uma obra notável, um trabalho de grande serenidade e beleza sobre o qual uma quantidade de estudiosos debruçou-se nos últimos anos, identificando o fato de que uma considerável parte dele foi feito pelo próprio Leonardo da Vinci e outra foi feita em seu ateliê."O site do castelo de Drumlanrig na web também procura afastar dúvidas sobre sua origem, assegurando que testes feitos nos laboratórios da National Gallery, de Londres, atestaram sua autenticidade.O castelo de Drumlanrig, que abriga uma das mais belas coleções privadas de arte da Grã-Bretanha, também exibe obras-primas de Rembrandt e Holbein. Seu prédio, finalizado em 1691, é um dos mais importantes exemplares da Renascença na Escócia e ocupa 120.000 acres da propriedade de Queensberryz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.