Miss Daisy e um Allen da melhor fase

Sob a Mesma Lua

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2012 | 03h08

16 H NA GLOBO

(Under the Same Moon). EUA, 2007. Direção de Patricia Riggen, com Adrian Alonso, Kate Del Castillo,

Eugenio Derbez, Maya Zapata,

Carmen Salinas, Angelina Pelaez.

Mexicana vai trabalhar ilegalmente nos EUA e deixa o filho aos cuidados de pessoas que lhe parecem confiáveis. O menino vai atrás da mãe. Chega a Los Angeles sem a menor ideia de como encontrá-la. E é aí que entra a Lua, a mesma Lua. Um filme emotivo, sincero, bonito. Reprise, colorido, 106 min.

Crime na Casa Branca

22H45 NO SBT

(Murder at 1600). EUA, 1997. Direção de Dwight Little, com Wesley Snipes, Diane Lane, Alan Alda, Dennis Miller.

Wesley Snipes investiga crime na Casa Branca. Uma funcionária foi assassinada. Ele topa com a hostilidade dos seguranças, que querem preservar o presidente. No mesmo ano, Clint Eastwood fez Poder Absoluto, sobre tema similar (e que é um de seus piores filmes). Acredite, o thriller do modesto Little é mais 'eficiente', se não melhor, como espetáculo de ação (e independentemente da credibilidade). Reprise, colorido, 107 min.

Corina, Uma Babá Perfeita

23 H NA REDE BRASIL

(Corrina, Corrina). EUA, 1994. Direção de Jessie Nelson, com Whoopi Goldberg, Ray Liotta, Tina Majorino, Wendy Crewson, Don Ameche.

Na 'América' do fim dos anos 1950, uma época de transformações, viúvo contrata governanta para tomar conta de sua casa (e vida). Whoopi Goldberg vai seduzir o patrão, mas o romance inter-racial acirra preconceitos. Irregular, para não dizer discutível, como documento do período, o filme beneficia-se do carisma de Whoopi para conquistar o espectador. Reprise, colorido, 115 min.

No Ateliê de Mondrian

0 H NA CULTURA

(In Mondrian's Studio). França, 2010. Direção de François Lévy-Kuentz.

O documentário da Cultura investiga a obra do holandês Mondrian no momento em que ele, influenciado pelo cubismo, desenvolve sua linguagem de formas geométricas e formas primárias. Reprise, colorido, preto e branco, 51 min.

Conduzindo Miss Daisy

3H30 NA REDE BRASIL

(Driving Miss Daisy). EUA, 1989,

Direção de Bruce Beresford, com

Morgan Freeman, Jessica Tandy,

Dan Aykroyd, Patti LuPone.

A questão inter-racial volta, não como romance - como em Corina (leia acima) -, mas como análise de relações humanas e sociais. No Sul dos EUA, família contrata motorista negro para servir dama envelhecida (e que não pode mais dirigir). O filme adaptado da peça de Alfred Uhry focaliza de forma discreta mudanças na família e na sociedade. Ganhou os Oscars de filme, atriz, roteiro e maquiagem, mas não o de direção, que, naquele ano, foi para o Oliver Stone de Nascido em 4 de Julho. A peça foi representada no Brasil e agora mesmo está em Londres, com Vanessa Redgrave e James Earl Jones. Jessica é excepcional no papel, ela que foi uma estrela do teatro, mas teve poucos papéis importantes no cinema. Reprise, colorido, 99 min.

TV Paga

Hannah e Suas Irmãs

22 H NO TCM

(Hannah and Her Sisters). EUA, 1986. Direção e interpretação de Woody

Allen, com Mia Farrow, Dianne Wiest, Barbara Hershey, Michael Caine,

Carrie Fisher, Maureen O'Sullivan, Lloyd Nolan, Max Von Sydow.

Os melhores filmes de Woody Allen pertencem à fase em que ele foi casado com Mia Farrow e um belo exemplo disso é essa crônica familiar centrada na personagem Hannah (e suas irmãs). Hannah/Mia é o que há de madura e equilibrada. Allen idealizou tanto a ex-mulher que isso talvez tenha levado à ruptura, do jeito que ocorreu. Dianne Wiest, como a irmã autodestrutiva, e Michael Caine ganharam os Oscars de coadjuvantes. Na cena do Thanksgiven, umas das crianças à mesa é Soon-Yi Previn, a filha de Mia com quem o ator e diretor se casou mais tarde. Reprise, colorido, 106 min.

O Fantasma do Paraíso

2H05 NO TELECINE CULT

(Phantom of the Paradise). EUA, 1974. Direção de Brian De Palma, com Paul Williams, William Finley.

O livro famoso de Gaston Leroux, O Fantasma da Ópera, teve diversas versões no cinema, e algumas ostentam o rótulo de clássicos de terror. Mas esta é particular, mesmo que tenha mais rock que ópera (e fantasma). O herói, que teve o rosto desfigurado, assombra os bastidores de uma casa de shows. Gerrit Graham, que faz a 'diva', parece comportada face a certas estrelas do rock atual, mas o filme tem impacto visual e força dramática. É um dos trabalhos mais fortes do diretor, e um dos menos hitchcockianos, numa época em que De Palma estava fissurado pela cena do assassinato na ducha em Psicose. Reprise, colorido, 92 min.

Gêmeas

2H10 NO CANAL BRASIL

Brasil, 1999. Direção de Andrucha Waddington, com Fernanda Torres, Isabel Gueron, Evandro Mesquita,

Francisco Cuoco, Matheus

Nachtergaele.

Estética televisiva, publicitária. Todo tipo de rótulo foi aplicado ao longa que Andrucha Waddington adaptou de conto de Nelson Rodrigues, com Fernanda Torres como as gêmeas que vivem aplicando peças nos homens. Face ao desenvolvimento posterior da carreira do diretor, o filme pede revisão. Reprise, colorido, 75 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.