Mira Haar marca retorno ao palco com <i>Mammy Vai a Lua</i>

Depois de ficar dez anos afastada dos palcos, Mira Haar marca o seu retorno com a peça Mammy Vai à Lua, que estréia nesta sexta-feira, 23, às 21 horas, no Espaço Crisantempo. O texto e figurinos idealizados por ela prometem garantir boas gargalhadas para os próximos três meses em que estará em cartaz. "A minha carreira de atriz não era o meu foco. Parei de atuar porque outras atividades acabaram me ?puxando?", conta Mira, que dedicou toda esta década aos seus trabalhos como figurinista e diretora. A atriz escreveu um roteiro há cerca de 12 anos para logo depois transformá-lo em texto para teatro. "Chamei a Patrícia Gasppar e o Elias Andreato para reformular os 11 quadros que compõem o trabalho, torná-lo contemporâneo", conta. Mira, que fundou nos anos 70 a companhia de teatro alternativo Pod Minoga, ao lado de Flávio de Souza, Carlos Moreno e Naum Alves de Souza, resgata o processo de criação em Mammy Vai à Lua. Já o processo de produção foi bem diferente do daquela época: o amigo de Mira há 40 anos, Carlos Moreno, que voltou a assinar contrato como garoto propaganda da Bombril, pode escolher qualquer evento cultural para ser financiado pela instituição anualmente. Moreno, assim, tornou-se o produtor do espetáculo de Mira. "Agora pudemos realizar um trabalho com muito mais acabamento e qualidade", diz Mira. Reconhecida até hoje nas ruas como a mãe do Lucas Silva e Silva, da série da TV Cultura dos anos 90 Mundo da Lua, Mira se inspirou em seu ex-marido, o dramaturgo Flávio de Souza, e nos filhos Teodoro, de 15 anos, e Leonardo, de 27 (produtor das projeções da peça), para criar o enredo da história de Mammy, uma dona-de-casa que resolve participar de um sorteio, cujo o prêmio é uma viagem para a lua. Mammy Vai à Lua. 75 min. Sala Crisantempo (100 lug.). Rua Fidalga, 521, Vila Madalena, 3819-2287. 6.ª e sáb., 21 h; dom., às 19 h. R$ 40. Até 17/6

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.