Ministério Público quer multar novelas

O Ministério Público do Rio está movendo ações contra três novelas exibidas pela Rede Globo. As multas sugeridas pelo MP são de 20 salários mínimos por dia, mais R$ 5 milhões de indenização, a serem destinadas a instituições de menores carentes. A Globo considerou subjetivas as ações, argumentando que elas não especificam as objeções a que se referem.O Ministério Público do Rio está pedindo a proibição de cenas de "insinuações de sexo, desvirtuamento de valores éticos e conflitos piscológicos", "semi-nudez", "grande tensão" e violência nas novelas A Próxima Vítima (14h30), Uga Uga (19 h) e Laços de Família (20h50).A Central Globo de Comunicação alega que as ações não especificam claramente tais objeções. Lembra ainda que as três produções foram liberadas pela classificação por idade do Ministério da Justiça. No caso de Uga-Uga, o ministério já fizera uma advertência sobre violência e a direção da Globo se comprometera a tomar providências.Danos morais - As promotoras Katia Maciel (Laços de Família e Uga Uga) e Patrícia de Oliveira (A Próxima Vítima) entraram com as ações alegando danos morais com base no Estatuto da Criança e do Adolescente. O único exemplo citado textualmente diz respeito à cena de Laços de Família de 15 de junho. Na ocasião relatada a novela exibiu a imagem de uma criança chorando diante de intensa discussão entre os personagens adultos.Segundo o MP, as ações não têm a pretensão de tirar as tramas do ar. Para Laços de Família sugere que, caso as cenas não sejam cortadas, a novela passe para as 21 horas, com censura de 14 anos. Uga Uga iria para as 20 horas, a partir de 12 anos. Quanto à Próxima Vítima, foi de fato concebida para o horário nobre (20h30) e vem sendo reprisada à tarde.

Agencia Estado,

08 de novembro de 2000 | 21h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.