Minissérie "Mad Maria" reanima Porto Velho

A Rede Globo terminou de desmontar os cenários usados na gravação da minissérie Mad Maria, no distrito de Abunã, a 220 quilômetros de Porto Velho, capital de Rondônia, em plena selva amazônica.De início, a idéia era gravar poucas cenas na floresta e no rio Madeira, o maior afluente da margem esquerda do rio Amazonas. A maior parte seria filmada no Rio de Janeiro. Agora, apenas algumas cenas serão rodadas no Projac. Os planos mudaram quando o governo do Estado recuperou uma locomotiva, uma liturina, quatro vagões e 10 quilômetros de trilhos e colocou a Polícia Florestal e o Corpo de Bombeiros à disposição da equipe da Globo.O governador Ivo Cassol explicou que os R$ 500 mil gasto pelo Estado com ajuda de algumas empresas deverá ser recuperado com a chegada de turistas, quando Mad Maria for exibida.O Ibama também colaborou, entregando ao governo do Estado a madeira utilizada para fabricar os dormentes. A Fundação Nacional de Saúde colocou médicos, enfermeiros e laboratórios para teste de malária à disposição da produção da minissérie.O produtor da Globo, Jean Robert, de 39 anos, disse que dessa forma foi possível gravar a maior parte das cenas no distrito de Abunã e em Porto Velho. "Um fato marcante é que não houve nenhum acidente em dois meses de trabalho, apesar de estarmos na floresta", explicou. Na última semana, Robert proferiu algumas palestras em Porto Velho. Nelas, ele explicou que o Estado precisa se preparar para receber turistas."Olhando a floresta e a ferrovia, dá para se ter uma idéia do quanto foi difícil para o homem vencer a selva. Isso pode ser mostrado a quem visitar Rondônia", disse Robert.Mad Maria, cujas cenas externas foram concluídas neste sábado, começa a ser exibida no dia 25 de janeiro. A minissérie já foi vendida para 49 países, entre eles Estados Unidos, Inglaterra, Itália e Alemanha.A história mistura ficção e realidade para reconstituir a saga da construção da ferrovia Madeira-Mamoré, na floresta Amazônica, no início do século 20. O roteiro é de Benedito Ruy Barbosa e a direção de Ricardo Waddington. A atriz Ana Paula Arósio e o ator Fábio Assunção serão os protagonistas. Juca de Oliveira vai interpretar o engenheiro responsável pela construção da ferrovia e Tony Ramos dará vida a outro personagem histórico, o empresário americano Percival Farquhar, executor da obra que consumiu seis anos - de 1907 a 1912, além de levar à falência empresas brasileiras, americanas e inglesas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.