Minha trilha sonora

Daniel Galera

, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2010 | 00h00

O autor faz uma trilha para tempos pós-Chernobyl

1. OH, MY LORD - Nick Cave and the Bad Seeds.

"Balada do mais completo desespero, ode à vida secreta e à prostração. Favorita dos meus amigos André e Michel, logo minha favorita."

2. DESIRE LINES -

Deerhunter.

"Canção linda e viciante para embalar a solidão extrema e a amizade protossensualista (que pode evoluir para o sensualismo)."

3. GET YOURSELF TOGETHER - Lonnie Johnson.

"Um blues para escutar no box, em posição fetal, chorando sob a água gelada, com cinto ao redor do pescoço."

4. DUNKELHEIT - Burzum.

"O melhor seria jamais ter nascido. Uma vez nascendo, é mister abraçar Satã com a totalidade da alma. Donde Burzum."

5. COMO SE FOSSE -

Fagner.

"Jeito de amar desesperado, mais chorado do que vivido, como se vivê-la fosse não vê-la. Há o amor, todavia nunca é fácil."

6. COMPASSION - Prince.

"Para brilhar muito na pista com drinks refrescantes e uma torrada no bolso. Meu Deus, que época para se viver!"

7. THE BEST (EXTENDED MIGHTY MIX) - Tina Turner.

"A versão definitiva dessa canção contagiante, um verdadeiro turboélice de euforia."

8. YOU"RE OLD (FUCK YOU) - Anal Cunt.

"Uma das melhores composições da seminal banda de grindcore do glorioso Seth Putnam. Ideal para morrer."

9. REPRISE - Zé do Bêlo.

"Minha faixa favorita de Acústico, obra essencial da música popular gaúcha. Tocante e perfeita para tocar em qualquer churrasco."

10. BÊ-A-BÁ - Raimundos.

"Todo mundo sabe que o Raimundos é a maior banda da história do rock brasileiro. Vamos parar de brincadeira agora."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.