Mimo apresenta a nata do instrumental

Em sua 8ª edição, mostra recebe compositores renomados em Olinda, no Recife e em João Pessoa

Lucas Nobile, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2011 | 00h00

A partir de hoje Recife, Olinda e João Pessoa começam a receber os concertos da oitava edição do Mimo (Mostra Internacional de Música em Olinda). Desde anteontem, as cidades já deram início aos trabalhos com a etapa educativa do festival, acolhendo oficinas de músicos renomados no cenário brasileiro e internacional ensinando aos jovens inscritos no projeto.

Entre workshops e master classes programadas para ocorrer ao longo de quase uma semana, nomes como o do regente Isaac Karabtchevsky, o do bandolinista e compositor Hamilton de Holanda, de Arrigo Barnabé, Andrea Ernest Dias, Marcos Suzano, Projeto Coisa Fina, além de artistas internacionais como Philip Glass, Alex Tassel e Vicent Segal, da Franca, e a figurinha mais carimbada do festival, Egberto Gismonti.

Quando se diz aqui "figurinha carimbada", entenda-se que Gismonti é o personagem mais assíduo do Mimo. Das oito edições esta é a sexta vez que o pianista, violonista e compositor brasileiro participa da mostra. O que não soa como nenhum demérito, mas como um prestígio. O músico se apresenta neste sábado, em Olinda, com seu filho, o violonista Alexandre Gismonti e participação especial da violinista Ana de Oliveira. Dizem que Egberto iria embora no dia seguinte de seu show, mas os bastidores indicam que ele deve ficar na cidade para prestigiar a apresentação do duo André Mehmari (piano) e Hamilton de Holanda (bandolim), no encerramento do festival, no sábado. Ambos lançaram no início do ano Gismontipascoal, interpretando composições de Egberto e Hermeto Pascoal.

"A gente considera o Egberto um sócio-fundador. Há anos ele não vem só mostrar o trabalho. É um grande amigo, um orientador do Mimo, no sentido de dar uma espécie de consultoria sobre a programação e as oficinas", diz a curadora Lu Araújo, pelo oitavo ano desempenhando tal função ao lado de André Oliveira. "A gente costuma dizer que o Mimo aborda do erudito ao eletrônico, mas sempre com coerência para priorizar a música instrumental e gratuita para o público", completa Araújo.

Essa é uma das principais e mais louváveis características do Mimo: oferecer concertos gratuitos aos espectadores. Não é à toa que no ano passado o evento reuniu cerca de 100 mil pessoas ao longo da mostra. Para este ano, são esperadas 110 mil.

Entre as atrações mais esperadas pelo público nesta edição, estão os franco-argentinos do Gotan Project, que devem arrebanhar grandes plateias.

Outro ponto de destaque é o fato de a maioria dos concertos não se dar em auditórios e teatros fechados, mas em praças, parques e em igrejas, dando todo um clima diferente à mostra.

Mas nada disso teria valor se a programação deixasse a desejar. Um dos pontos principais do Mimo - e já não é de hoje - é que a curadoria do festival prima pela qualidade. Mesmo sem fazer muito alarde e sem receber os devidos holofotes, a curadoria coloca no bolso festivais como Rock in Rio, Planeta Terra, SWU e Telefônica Sonidos, muito mais preocupados em caçar níqueis e lucrar com as bilheterias. A coerência do Mimo se justifica com a escalação de patrimônios intangíveis como Guinga, Arthur Verocai, Egberto Gismonti, Arrigo Barnabé, Philip Glass, Hamilton de Holanda e André Mehmari, além de ofertar uma mostra gratuita de filmes e documentários, como Daquele Instante em Diante, sobre a trajetória do notável Itamar Assumpção.

DESTAQUES

Hoje

Guinga e Orquestra Sinfônica do Recife

Parque Dona Lindu (Recife, 18h30)

Parahyba Art Ensemble

Mercado da Ribeira (Olinda, 18h)

Amanhã

Arrigo Barnabé

Igreja N. S. do Rosário dos Homens Pretos (Recife, 18h30)

Arthur Verocai (convidados)

Igreja da Sé (Olinda, 20h30)

Gotan Project

Palco do Carmo (Olinda, 22 h)

Sexta

Ballaké Sissoko e Vicent Segal

Igreja de São Francisco (João Pessoa, 20 h)

Alex Tassel

Igreja da Sé (Olinda, 20h30)

Sábado

Egberto Gismonti e Alexandre Gismonti

Seminário de Olinda (19 h)

Philip Glass

Igreja da Sé (Olinda, 20h30)

Domingo

Pagode Jazz Sardinha"s Club

Seminário de Olinda (19 h)

Hamilton de Holanda e André Mehmari

Igreja da Sé (Olinda, 20h30)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.