Milão proíbe modelos muito magras nas passarelas

A capital italiana da moda, Milão, proibiu formalmente a presença de meninas menores de 16 anos e magras demais nas passarelas da semana de moda de fevereiro, seguindo a tendência de promover uma imagem mais saudável das modelos. O acordo foi assinado na segunda-feira entre as autoridades da cidade e a indústria da moda. Serão proibidas de desfilar modelos que tenham índice de massa corporal (IMC) menor que 18,5. O IMC é obtido dividindo o peso em quilos pelo quadrado da altura em metros.O acordo assinado também inclui cursos sobre alimentação saudável e exercícios, e pede que haja variedade de tamanhos de figurino no desfile."O acordo é resultado de um esforço conjunto...para comunicar a nossos jovens a importância de modelos positivos de vida", disse a prefeita de Milão, Letizia Moratti, numa nota.A Espanha barrou modelos abaixo de um certo peso dos desfiles em Madri, em setembro. Neste mês o Brasil lançou uma campanha para proibir modelos menores de 16 anos de desfilar no São Paulo Fashion Week, além de exigir atestados de saúde depois da morte da modelo brasileira Ana Carolina Reston, em decorrência de uma anorexia.As marcas de Milão resistiram de início a seguir o exemplo espanhol. Mario Boselli, chefe da Câmara Nacional de Moda da Itália, disse em setembro que talvez "uma menina em cada cem" dos desfiles pudesse ser definida como magra demais. Mas ele acabou concordando em trabalhar com o governo na criação de um código de boa prática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.